Psoríase: o que é e qual é a causa dessa doença?

A psoríase é uma doença que cursa com inflamação crônica da pele e de outros órgãos, como as articulações, o coração, os olhos e o intestino.

Ela afeta ambos os sexos igualmente, podendo iniciar em qualquer idade. Sua taxa de incidência varia de 0,5 a 11,4% entre os adultos e 0 a 1,4% nas crianças.

Acomete todos os países, porém tende a ser mais frequente naqueles mais distantes da linha do Equador (menor exposição ao sol). Tem sido observado uma tendência ao aumento do número de casos nas últimas décadas.

Os picos de incidência da psoríase são entre 30 e 39 anos e entre 50 e 69 anos. Afeta raramente pessoas da raça negra e amarela e é praticamente inexistente entre indígenas da América do Norte e do Sul.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre a psoríase.

O que causa a psoríase?

A causa da psoríase permanece desconhecida, porém existe uma influência genética comprovada através de antecedentes familiares da doença em 40% dos casos.

Além disso, ela é mais frequente em gêmeos homozigóticos (gêmeos idênticos) do que em gêmeos dizigóticos, especialmente quando a doença surge antes dos 40 anos.

Hábitos de fumar, do sedentarismo, se alimentar de forma errada que gerem obesidade, além do alcoolismo, induzem ou agravam a psoríase.

O uso de alguns medicamentos também pioram a doença, como:

  • Lítio
  • Antimaláricos (cloroquina e hidroxicloroquina)
  • Betabloqueadores
  • Anti-inflamatórios não hormonais
  • Antibióticos (tetraciclina)

Infecções pela bactéria estreptococo B (beta) hemolítico originada da orofaringe (garganta) gera a forma clínica de psoríase gutata.

Os portadores do vírus do HIV tendem a ter formas mais graves da psoríase. A importância do estresse emocional como fator desencadeante ou agravante da psoríase é discutível.

A pele desses pacientes com HIV é mais sensível à reprodução da lesão de psoríase pelo atrito sobre a pele em consequência do prurido (coceira), comum nesses pacientes, conhecido como fenômeno de Koebner e que acontece em um terço dos pacientes.

A influência da vitamina D também é discutível, porém, mesmo assim, baixo nível dela tem sido observado nos pacientes portadores de psoríase. 

Na patogenia, há uma aceleração do ciclo de multiplicação das células que compõem a epiderme, a parte mais superficial da pele.

O aumento da velocidade da migração das células da epiderme até a superfície da pele resulta no aparecimento de escamas na pele.

Acredita-se que esse trânsito acelerado das células esteja relacionado à atuação dos linfócitos T e outras células que compõem o sistema imunológico.

Manifestações clínicas da psoríase

A psoríase se manifesta de diferentes formas. Confira quais são:

Psoríase em placas

É observada em até 90% dos doentes. Caracteriza-se por placas elevadas e eritematosas (avermelhadas), cobertas por escamas secas, brancas ou prateadas e aderentes, com graus variados de infiltração, bem delimitadas, podendo variar de alguns milímetros até dezenas de centímetros de extensão.

Geralmente afeta a face de extensão dos membros superiores e inferiores, de forma simétrica, o couro cabeludo e a parte inferior das costas (região sacra).

Psoríase em placa
Psoríase em placa no couro cabeludo

Com menor frequência, pode atingir as dobras da pele, como das  virilhas, das nádegas, períneo, abaixo das mamas e axilas, com ausência de escama, consequente ao atrito e sudorese na região.

Psoríase na axila

Pode se sobrepor às lesões de dermatite seborreica  em localização típica desta como no couro cabeludo, face, conduto auditivo e atrás das orelhas, conhecido como seboríase.

Seboríase

Seboríase

Os sintomas de prurido e queimação variam muito de intensidade, não sendo frequentes, exceto no couro cabeludo (85% dos casos). Eventualmente, pode atingir as mucosas e semimucosas (lábios, por exemplo).

Psoríase em gotas

Essa é a manifestação mais comum em crianças, adolescentes e adultos jovens. Manifesta-se pelo surgimento repentino de pápulas (carocinhos) avermelhados e cobertas por escamas, medindo de  0,5 a 1 cm de diâmetro, geralmente localizadas no tronco e raiz dos membros superiores e inferiores.

Psoríase em gotas
Psoríase em gotas (aproximação)

Frequentemente é precedida por infecção pelo estreptococo, localizada na orofaringe (garganta) e desaparece, na maioria dos casos, em 2 a 3 meses.

Psoríase eritrodérmica

Representa a forma mais extensa, onde ocorre uma generalização do eritema (vermelhidão) e com descamação variável.

Pode surgir a partir da psoríase vulgar ou, mais frequentemente, pela interrupção de corticosteróide por via oral ou intramuscular, ou em pacientes com HIV.

Essa vermelhidão em toda pele gera problemas de regulação da temperatura, como hipotermia ou hipertermia, sobrecarga sobre o coração, do fígado e dos rins e até septicemia (infecção bacteriana generalizada).

Psoríase palmoplantar

É a forma da psoríase limitada às palmas e plantas, na maioria dos casos, porém pode também se associar à psoríase vulgar.

Surgem lesões de hiperceratose (espessamento da pele) com escamas espessas e fissuras (feridas de forma linear). As fissuras podem ser dolorosas e dificultar o caminhar. São simétricas e poupam o cavo plantar.

Psoríase plantar

Psoríase pustulosa

Manifesta-se como pústulas (bolhinhas amareladas de pus) com distribuição localizada ou generalizada. A forma localizada acomete preferencialmente os dedos das mãos e menos frequentemente os dos pés ou palmas e plantas. 

A forma generalizada consta de pústulas em todo corpo a partir da psoríase vulgar e é desencadeada pela interrupção de corticóide por via oral, hipocalcemia (baixa do cálcio no sangue), infecções ou irritação da pele por contato com substâncias.

Geralmente existe comprometimento do estado geral, manifestado por astenia (moleza do corpo), anorexia (falta de apetite), febre alta e leucocitose (elevação dos glóbulos brancos, revelada no hemograma).

A erupção é de aparecimento súbito e a disseminação rápida na pele, porém, comumente, persiste durante poucas semanas como tal e evolui para a forma eritrodérmica ou retorna à forma vulgar. 

Psoríase ungueal

As alterações nas unhas surgem, na maioria dos casos, após as lesões na pele, porém podem ocorrer simultaneamente ou preceder a psoríase cutânea.

Ocasionalmente, as alterações ungueais são a única manifestação da doença. A alteração mais frequente são as depressões cupuliformes, também conhecidas como pits ungueais ou unhas em dedal.

Outras alterações são a onicólise (separação da unha do leito ungueal) espessamento das unhas conhecido como hiperceratose subungueal e “mancha de óleo” dando um aspecto amarelado à unha , além de pequenas hemorragias de forma linear.

Psoríase em unha com onicólise (foto cedida pela Dra. Aldejane Gurgel)
Psoríase em unha com hemorragias (foto cedida pela Dra. Aldejane Gurgel)

Nos casos mais avançados, pode chegar à destruição das unhas. 

O acometimento da unha aumenta com a idade, com a duração e com a extensão da doença. Frequentemente, se associa à artrite psoriática (inflamação das articulações) nos dedos das mãos e dos pés e da coluna vertebral.

Comorbidades da psoríase

Chamamos de comorbidades da psoríase a associação dela com outras doenças.

Vale ressaltar que atualmente a psoríase é considerada uma doença que afeta outros órgãos por ser um distúrbio inflamatório multissistêmico.

A artrite psoriática é comum e a maioria dos pacientes tem envolvimento da pele simultaneamente, embora a artrite anteceda a doença da pele na minoria dos casos.

O envolvimento simultâneo das unhas também é comum. Os sintomas frequentes incluem:

  • Dor nas articulações e nas costas
  • Rigidez nas articulações (particularmente ao acordar), com duração maior de 30 minutos

Acomete as articulações dos dedos das mãos e dos pés

e os tendões que se inserem nos ossos. Os casos mais graves determinam grandes mutilações e deformidades das articulações. 

Também pode ocorrer inflamação das articulações da coluna vertebral, conhecida como espondiloartrite, incluindo sacroileíte e espondilite, geralmente associada com comprometimento das articulações dos dedos das mãos e dos pés, porém pode ocorrer de forma isolada em 2 a 4% dos casos.

A psoríase está frequentemente associada à obesidade, especialmente os casos severos. Inversamente, a obesidade também predispõe a essa patologia.

A relação entre a obesidade e a psoríase é de que ambas representam doenças que geram substâncias chamadas citocinas, as quais acarretam inflamação de todo organismo, citada no texto abaixo.

A perda de peso facilita o tratamento da doença por exigir menores doses dos medicamentos, como as das ciclosporina. 

Outra comorbidade é a síndrome metabólica, uma constelação de fatores de risco associados ao diabetes mellitus tipo 2 e doenças cardiovasculares.

Pacientes com psoríase são mais propensos a desenvolver a síndrome metabólica e o risco de falecer em consequência de doença coronariana é três vezes maior. Essa síndrome é a maior causa de morte.

A presença de três ou mais dos tópicos abaixo constitui o diagnóstico de síndrome metabólica:

  • Circunferência da cintura do abdômen elevada: igual ou maior que 102 centímetros no homem e na mulher igual ou maior de 88 centímetros
  • Pressão arterial elevada ou tomando medicamento para combatê-la
  • Glicemia de jejum elevada ou recebendo remédio para baixá-la
  • Triglicerídeo elevado ou tomando remédio para baixá-lo
  • Colesterol alterado ou tomando remédio para combatê-lo

Tanto a psoríase quanto a obesidade podem contribuir para a síndrome metabólica por meio dos efeitos de citocinas e adipocinas pró-inflamatórias associadas a esses distúrbios na regulação da glicose, estado lipídico (gordura no sangue) e função endotelial (membrana que reveste os vasos sanguíneos).

Essa membrana, quando alterada, gera infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral (derrame). Como já mencionado, a síndrome metabólica é aceita como fator de risco para o desenvolvimento de diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares. Assim, a psoríase pode servir como um marcador para o aumento de risco de morbidade e mortalidade associada a essas doenças.

Ela também está associada a um risco aumentado para o desenvolvimento de doença vascular por gerar acúmulo de placas de ateromas (gordura) na parede dos vasos, como as doenças:

  • Cardiovasculares (infarto do miocárdio)
  • Cerebrovasculares (acidente vascular cerebral)
  • Vasculares nos membros (amputação dos membros por deficiência da circulação das artérias)

Existe ainda um maior risco de paciente com psoríase grave de desenvolver câncer, especialmente:

  • Cavidade oral
  • Esôfago
  • Fígado
  • Laringe
  • Rim
  • Pâncreas
  • Colo
  • Reto
  • Linfoma não-Hodgkin

As doenças autoimunes também estão associadas a essa patologia como alopecia areata, doença celíaca, esclerose sistêmica, doença de Crohn, vitiligo, entre outras.

Também está relacionada à:

  • Arritmia cardíaca
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica
  • Esteatose hepática (gordura no fígado)
  • Alterações mentais, como depressão, ansiedade, baixa autoestima, ideação suicida, disfunção sexual e transtorno de comportamento

Alterações oculares, como blefarite (inflamação das pálpebras), conjuntivite, lesões da córnea e uveíte, podem ocorrer com frequência aumentada na psoríase.

Pode ser a primeira manifestação da AIDS ou pode surgir após a mesma. Nessa associação, é frequentemente severa, especialmente quando cai a imunidade durante a evolução da AIDS. Envolve as palmas e as plantas e até toda a pele (eritema ou vermelhidão conhecido como eritrodermia). 

Também pode atingir as unhas e as articulações (gera inflamação conhecida como artrite). 

Evolução e prognóstico

A evolução da psoríase é imprevisível e muito variável de pessoa para pessoa.

Os pacientes portadores do tipo I, ou seja, aqueles que iniciaram a doença antes de 40 anos, apresentam maior incidência familiar, doença mais severa, mais resistente ao tratamento e mais recorrente, comparado aos que iniciam após os 40 anos.

Tratamento da psoríase

Durante o tratamento, o médico deve esclarecer ao paciente a natureza crônica e as recidivas da psoríase, antes de iniciar qualquer tratamento, e estimular a exposição ao Sol, porém de forma moderada.

Os pacientes com doença localizada, devem ser tratados com corticosteróides aplicados na pele nas apresentações em creme, adesivo plástico e pomada.

No couro cabeludo o corticosteroide  deve ser aplicado nas apresentações  em gel, espuma, solução e xampu. Tem ação anti-inflamatória e de combate ao prurido (coceira).

Outras alternativas para o tratamento por via cutânea são os imunomoduladores tópicos como o tacrolimo (pomada) e o pimecrolimo (creme) por terem também ação anti-inflamatória e, portanto, podem substituir os corticosteroide para prevenir os efeitos colaterais deste quando usados de forma prolongada, como a atrofia da pele.

Outra alternativa é o calcipotriol, derivado da vitamina D, de uso isolado ou de forma associada ao corticosteróide na mesma pomada.

A psoríase disseminada pode ser tratada primeiramente com fototerapia que utiliza a irradiação de luz derivada do Sol, onde o paciente entra em uma cabine. Esse método pode ser utilizado como tratamento isolado ou combinado ao tratamento de uso tópico ou sistêmico (oral, por exemplo).

Os casos onde as lesões não são muito espessas (escamas discretas), a fototerapia consta apenas da radiação ultravioleta B. Nos pacientes que apresentam lesões muito exuberantes, é aplicado irradiação ultravioleta A, associada ao medicamento psoraleno, por via oral.

Outras opções para os casos muito severos são a ingestão de metotrexato (o mais barato), ciclosporina e acitretina.

Quando o paciente não responde a nenhum tratamento, se recorre aos imunobiológicos, medicamentos que atuam diretamente no sistema imunológico, já que este tem importante participação na patogênese da doença.

Esses medicamentos são mais eficientes e os mais caros (o Governo e os planos de saúde financiam), porém exigem um acompanhamento cuidadoso em relação ao controle de infecções, especialmente a tuberculose (muito comum no Brasil), induzidas por esses medicamentos.

Agora que você já sabe mais sobre essa patologia, não deixe de nos seguir no Instagram, no Youtube e no Facebook para saber mais sobre doenças e saúde da pele!

Escabiose: tire suas dúvidas sobre a sarna

A escabiose, também conhecida como sarna, é uma doença contagiosa, reconhecida como tal há séculos. Ela é relativamente comum e tem evolução cíclica, principalmente nos países desenvolvidos, onde o intervalo entre os ciclos é de 10 a 15 anos.

Não tem preferência por idade, raça, sexo e condição socioeconômica, apesar de haver relatos de ser comum em países pobres.

Acomete, principalmente, a América Latina e a região do Pacífico e há um total de 100 milhões de pessoas afetadas pela doença no mundo.

A escabiose é frequente em locais de grande aglomeração, como presídios e asilos. Continue lendo nosso post e confira mais informações sobre essa doença.

Qual a causa da escabiose?

O agente etiológico, Sarcoptes scabiei variedade hominis, parasita apenas a espécie humana, é o transmissor da escabiose.

Essa doença, portanto, passa apenas de homem para homem, poupando os animais.

No caso da sarna animal, ela é causada por outras espécies que parasitam esses seres. 

São espécies específicas, portanto, o parasita de cada espécie afeta apenas o mesmo tipo de animal.

Após o acasalamento, o macho morre, a fêmea penetra e se desloca na parte mais superficial da pele, a epiderme.

Durante esse percurso que dura de 4 a 6 semanas, põem de 40 a 50 ovos. Esses ovos se transformam em parasitas adultos em 5 a 6 dias.

O número de parasitas, chamados de ácaros, em cada indivíduo é de 10 a 15. Em contraste, esse número na escabiose norueguesa pode atingir milhões em consequência da doença acometer pessoas com baixa imunidade, como nos portadores de HIV.

Como ocorre a transmissão?

A transmissão da escabiose ocorre em decorrência do contato prolongado e direto de pele com pele, como ocorre entre membros de família e casais, sendo pouco provável a transmissão consequente a contato casual.

Os parasitas podem sobreviver fora do hospedeiro durante 24 a 36 horas, tempo insuficiente para a doença ser transmitida. Portanto, é pouco provável a transmissão a  partir de fômites como vestimentas, roupa de cama e outros objetos.

A exceção a isso é a contaminação acontecer em ambientes frequentados por paciente portador da sarna norueguesa, devido ao elevado número de parasitas, eliminados no local.

Manifestações clínicas da escabiose

O prurido (coceira) é a manifestação proeminente da escabiose. Ela surge 3 a 4 semanas após a contaminação, exceto em consequência de reinfecção, quando é imediato.

As lesões e o prurido (coceira) são devidos a 2 mecanismos: o primeiro, ao deslocamento da fêmea na pele e o segundo pela resposta imunológica do indivíduo à presença do parasita.

O primeiro, explica o prurido ser maior à noite e ao acordar, consequente ao deslocamento da fêmea na pele, estimulado pelo calor da cama. Esse deslocamento na pele gera uma lesão linear, serpiginosa, medindo 1 centímetro, de cor acinzentada e com uma lesão ao final do túnel, onde se encontra a fêmea

Essa “casinha” da fêmea tem um formato de pápula-vesícula (carocinho e bolhinha d’água)

Foto autorizada pelo Dr. Samuel Freire, do Atlas Dermatológico

Raramente essa lesão é vista devido à sua destruição pelo ato de escoriar (arranhar a pele) em consequência de coçar. O seu pequeno tamanho também contribui para  dificultar  sua visualização.

O segundo mecanismo, o imunológico (alérgico), gera maior número de lesões, manifestado por pápulas (carocinhos),


Escabiose no punho manifestado por pápulas (carocinhos) de cor avermelhada, localização muito frequente

Escabiose no punho manifestado por pápulas (carocinhos) de cor avermelhada, localização muito frequente

vesículas (bolhinhas d’agua) e pústulas (bolhinhas de pus), as duas últimas afetando, preferencialmente, as crianças.


Escabiose (sarna) ao redor da axila, localização frequente manifestado por pústulas (bolhinhas contendo pus) ainda íntegras

O segundo mecanismo também explica a persistência do prurido mesmo após a cura, além do reinício do prurido em um a três dias, na reinfecção.

Uma variedade da doença, menos frequente, é a forma nodular, manifestada por pápulas (carocinhos) de maior tamanho, localizadas no pênis, bolsa escrotal, umbigo e axilas.

Nos pacientes com baixa da imunidade, como acontece na AIDS e doenças autoimunes (como lúpus eritematoso), o número de parasitas é muito maior. Manifesta-se por escamas espessas, localizadas, preferencialmente, no couro cabeludo, nas mãos e nos pés. As unhas se tornam espessadas.

Escabiose (sarna) crostosa

A escabiose, geralmente, envolve vários locais da pele, sendo os mais frequentes:

  • As mamas, especialmente nas mulheres
  • Dobras anteriores e posteriores das axilas
  • Pênis e bolsa escrotal
  • Ao redor do umbigo
  • Cintura
  • Face flexora dos pulsos
  • Face lateral e entre dedos das mãos
  • Parte inferior das nádegas
  • Coxas

Nas crianças podem se localizar, caracteristicamente, nos pés, na parte posterior do tronco e na cabeça.

Como qualquer doença que curse com prurido, pode complicar com infecção bacteriana, consequente às escoriações pelo ato de arranhar a pele.

Escabiose (sarna) infectada

Tratamento da escabiose

O tratamento da escabiose pode ser realizado através de medicamentos na pele e por via oral, devendo haver o acompanhamento médico.

No primeiro, é comum haver a aplicação de permetrina, em loção, durante duas noites, em toda a pele e reaplicar após uma semana.

O tratamento por via oral deve ser feito com a ivermectina e também repetir o tratamento após uma semana. Toda família deve ser tratada, independentemente de ter coceira ou não.

Alguns médicos aconselham o uso simultâneo das duas medicações, especialmente na escabiose norueguesa, por conter maior número de parasitas.

Se houver complicação com infecção bacteriana, deve ser administrado, por via oral, antibióticos que atinjam o estafilococo, como a cefalosporina.

Agora que você sabe mais sobre a escabiose, que tal continuar a leitura e saber mais sobre a pele seca?

Erisipela: infecção bacteriana frequente em idosos

A erisipela é uma infecção bacteriana muito comum na pele. Ela resulta da penetração de bactérias através de feridas, gerando inflamação, dor e sintomas gerais como febre.

A celulite representa a mesma infecção, porém atinge a parte mais profunda da pele, o tecido adiposo.

O abscesso também é uma variedade dessa infecção e consiste em uma coleção de pus na parte inferior da pele, incluindo a derme e a hipoderme.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre a erisipela.

Incidência da erisipela

A erisipela é frequente nos idosos e pessoas de meia-idade, porém pode atingir também as crianças. A incidência é de 200 casos por 100.000 habitantes e é mais frequente no verão.

Os fatores predisponentes associados à erisipela são:

  • Ruptura da barreira da pele gerada por traumas como:
    • Feridas provocadas por trauma na pele
    • Úlceras de pressão (escaras de decúbito)
    • Úlceras de perna por insuficiência venosa (veias)
    • Picada de inseto
    • Injeção de drogas ilícitas
  • Inflamação da pele decorrente de eczema, radioterapia e psoríase
  • Remoção de gânglios linfáticos em tratamento de metástase, como o de mama
  • Anomalias congênitas dos vasos linfáticos
  • Edema consequente à insuficiência venosa
  • Obesidade
  • Imunodeficiência (diminuição da imunidade), como diabetes ou infecção pelo HIV
  • Infecções prévias da pele, como varicela (catapora) e impetigo
  • Contato íntimo com pessoas portadoras de estafilococo resistentes à metacilina

Há ainda a associação com edema decorrente de comprometimento da drenagem linfática por safenectomia (remoção da veia safena da perna para cirurgia de substituição de vasos do coração consequente ao infarto do miocárdio).

Outro fator predisponente são as fissuras entre dedos dos pés, especialmente entre o quarto e quinto dedos, decorrente de dermatofitose, também conhecida como tinha (pé de atleta) e que, frequentemente, passam despercebidas.

O que causa a erisipela?

A bactéria responsável pela maioria dos casos de erisipela é o estreptococo beta hemolítico do grupo A seguido pelo Estafilococo aureus e raramente por bacilos aeróbios Gram-negativos e bactérias anaeróbias.

Os pacientes com imunidade baixa, como os portadores de HIV, estão muito mais susceptíveis a um grande número de outras bactérias.

O abscesso está relacionado, principalmente, ao Estafilococo aureus, porém, pode ser causado por mais de uma bactéria, simultaneamente, incluindo Estafilococo aureus, Estreptococo e bactérias gram-negativas, estas últimas, quando localizadas ao redor da boca, do ânus e na área genital.

Manifestações clínicas da erisipela

A erisipela se manifesta como área avermelhada, com edema (aumento de volume da região), petéquias (hemorragias na pele) e até bolhas, bem como dor e calor na pele. As bordas da lesão são bem delimitadas.

A pele pode estar infiltrada, ou seja, elevada por inchaço. 

Erisipela na perna (foto cedida pelo Dr. Samuel Freire do Atlas Dermatológico)

Está geralmente localizada em uma perna e sendo menos frequente no rosto e na  orelha. Sempre apresenta manifestações gerais de calafrio, febre, cefaléia (dor de cabeça), astenia (sensação de fraqueza) e anorexia (falta de apetite).

A celulite representa a mesma infecção, porém atinge maior profundidade da pele, inclusive o tecido celular subcutâneo (gordura). Ao contrário da erisipela, as bordas da lesão são borradas.

Celulite

A celulite apresenta uma evolução mais indolente enquanto a erisipela tem início mais abrupto.

Manifestações adicionais da celulite são linfangite (inflamação dos vasos linfáticos) manifestada como mancha avermelhada de forma linear, partindo da mancha da celulite.

Linfangite (foto cedida pelo Dr. Samuel Freire do Atlas Dermatológico)

Além disso, pode haver comprometimento dos gânglios linfáticos, que se manifesta por aumento de tamanho, especialmente na região inguinal (virilhas). 

Crises repetitivas de erisipela geram edema persistente nas pernas, consequente à agressão aos vasos linfáticos.

A pele adquire aspecto rugoso (lesões verrucosas) consequente à repetição das crises e que é devido à persistência de porta de entrada do Estreptococo em ferimento entre os dedos dos pés mantido pela infecção pelo fungo dermatófito (tinha), o conhecido pé de atleta. 

Outras complicações da erisipela, celulite e abscesso são a septicemia (disseminação da bactéria para o sangue), endocardite (infecção comprometendo o coração) e artrite séptica (infecção nas articulações). 

Exames complementares

Fazer a testagem através da identificação da bactéria pela da cultura bacteriana além do antibiograma (identificação das bactérias sensíveis a serem mortas pelos antibióticos) da pele ou no sangue pode ser necessário nos casos graves de erisipela, especialmente quando se suspeita de infecção que se generalizou para o organismo ou que não respondeu ao tratamento com os antibióticos considerados, rotineiramente, eficazes.

A ultrassonografia é útil para identificar abscesso. A ressonância magnética serve para distinguir entre celulite e osteomielite (infecção no osso).

Em pacientes com celulite recorrente, testes sorológicos para o Estreptococo beta-hemolítico devem ser realizados, como os de anti estreptolisina O, anti deoxiribonuclease B, e anti hialuronidase.

Os dois últimos citados são mais confiáveis do que o primeiro (anti estreptolisina O).

Tratamento da erisipela

O tratamento da erisipela exige o acompanhamento por um médico especializado para evitar as complicações citadas acima.

Os pacientes devem ser tratados com antibiótico que atuem contra o estreptococo, inicialmente, por via oral, como:

  • Cefadroxila
  • Dicloxacilina
  • Amoxicilina
  • Associação de tripetoprima com sulfametoxazol
  • Clindamicina

As indicações da administração parenteral (injetável) são:

  • Manifestações de sintomas gerais que revelam o comprometimento de todo organismo, como febre superior a 38 graus, hipotensão (baixa pressão arterial) ou taquicardia (aceleração dos batimentos cardíacos)
  • Progressão rápida do eritema (vermelhidão) na pele
  • Rápida progressão das manifestações, além de 48 horas do início do antibiótico por via oral
  • Intolerância ao antibiótico oral
  • Erisipela severa
  • Morbidades associadas à baixa da imunidade, como AIDS e  transplantados de órgãos

Os principais antibióticos utilizados, baseado nas indicações acima, são cefazolina, ceftriaxona ou flucloxacilina.

O uso de antibiótico por via intramuscular para prevenir recidivas da erisipela ocorrem nas seguintes condições:

  • Edema consequente ao comprometimento da drenagem linfática
  • Insuficiência venosa
  • Obesidade
  • Imunossupressão (baixa da imunidade)
  • Fissuras (feridas) entre dedos dos pés por dermatófito (pé de atleta)

Nos casos de erisipela de repetição que tende a gerar grande deformidade da perna, a penicilina G Benzatina, por via intramuscular, deve ser reaplicada a cada 3 semanas durante muitos anos.

As pernas devem ser elevadas frequentemente, além de fazer a hidratação diária da pele.

É importante ressaltar que a automedicação pode ter efeitos contrários dos desejados. Por isso, é importante fazer o acompanhamento com um dermatologista. Marque sua consulta conosco e saiba qual o melhor tratamento para o seu caso de erisipela.

O Ano Laranja: conscientização sobre o câncer de pele

É inaceitável que tantas pessoas sejam ainda mutiladas, especialmente na face, e morram em consequência do câncer de pele, considerando que esse é um tumor à vista de todos, ao contrário dos outros tipos que, quando se manifestam, já se encontram em estágio avançado, muitas vezes incuráveis.

O câncer de pele é o tumor maligno mais frequente e nós, dermatologistas, observamos um grande aumento do número de casos.

O maior exemplo da importância de educar a população para se proteger do câncer de pele é a Austrália, país com alto percentual de pessoas com pele branca, vivendo num país com alta intensidade de Sol.

Lá, houve um grande aumento da sobrevida de pessoas portadoras de melanoma, o câncer de pele mais agressivo, em consequência de intensa campanha educativa, principalmente, na televisão.

O que causa o câncer de pele?

O Sol é responsável por 90% dos cânceres de pele e as pessoas mais sensíveis a ele são as de pele branca, com sardas, olhos e cabelos claros e os que sofrem influência hereditária, ou seja, que têm outras pessoas na mesma família que tiveram essa doença

Independentemente da cor da nossa pele, devemos nos proteger do Sol durante todo o dia e evitar a exposição direta no horário de 10 horas da manhã às 4 horas da tarde, período com maior quantidade de raios solares cancerígenos, que são os ultravioletas B.

Também é recomendado aplicar o filtro solar 30 minutos antes de sair de casa e reaplicá-lo a cada 2 horas, independentemente de haver exposição direta ou não.

A aplicação do filtro solar deve ser iniciada a partir de 6 meses de vida, já que as pessoas que o aplicam regularmente nos primeiros 18 anos têm 78% menos chance de desenvolver câncer de pele na vida adulta.

Quando suspeitar de ser portador de câncer de pele?

Suspeite de ser portador de câncer de pele se surgir ferida na pele exposta ao Sol que não cicatrize, principalmente se tiver pele branca e for idoso.

O melanoma é o câncer de pele mais perigoso, responsável por 67% das mortes, porém se for tratado precocemente, é totalmente curável.

Um fator de suspeita do melanoma é o surgimento de um sinal que seja assimétrico, ou seja, que não possa ser dividido ao meio. Outros fatores que devem ser avaliados são:

  • Pintas com bordas irregulares, como se um pigmento derramasse ao redor do tumor
  • Sinais com cores diferentes
  • Diâmetro que ultrapasse o de uma caneta

Esses quatro fatores são conhecidos como a regra do A, B, C, D para auxiliar na memorização:

  • Assimetria
  • Bordas
  • Cor
  • Diâmetro


Nossa ONG, o Instituto ProntoPele, tem o compromisso de oferecer educação continuada, durante todo ano, pela consciência da grande desinformação do povo brasileiro em relação à prevenção e ao reconhecimento precoce do câncer de pele. Por isso, nosso compromisso é com o Ano Laranja, e não apenas o Dezembro Laranja por meio de ações educativas, semanalmente, como palestras.

Siga a ProntoPele no Instagram e no Facebook e fique por dentro das nossas ações!

Vitiligo: conheça a doença do Michael Jackson

O vitiligo é uma doença de pele relativamente comum, manifestada por mancha acrômica (mancha branca) por perda total da cor.

Ela ocorre em consequência do acometimento dos melanócitos, as células que produzem a melanina e causa manchas com limites bem definidos. 

Afeta todas as etnias, compromete 0,5 a 2% da população mundial e não apresenta predomínio por sexo. É a mais frequente do grupo das doenças com perda do pigmento da pele.

Predomina entre 10 e 30 anos, apesar de 25% dos casos surgirem antes dos 10 anos.

O que causa o vitiligo?

A causa do vitiligo é desconhecida, mas existem várias teorias tentando explicar, sendo mais aceita a participação de vários fatores envolvidos e interligados:

Hereditariedade

Cerca de 20% dos pacientes têm algum parente de primeiro grau afetado. Existe uma coincidência de apenas 23% entre gêmeos homozigóticos (idênticos) e esse fato demonstra a importância de fatores ambientais na indução da doença.

O risco relativo de familiares de primeiro grau de desenvolverem a doença é de 7 a 10 vezes. Existe uma maior suscetibilidade ao vitiligo e melanoma determinado pela desregulação genética da vigilância imunológica que afeta ambas doenças.

Autoimunidade

Essa é uma das teorias mais aceitas.

A desregulação do sistema imunológico gera perda da capacidade dele reconhecer o que é do próprio organismo.

No caso do vitiligo, o sistema imunológico, nosso “vigia”, passa a não reconhecer o melanócito, a célula que produz a melanina, responsável pela cor da pele, e o destrói.

Essa teoria é reforçada pela associação do vitiligo com outras doenças autoimunes, como:

  • Doenças da tireoide
  • Anemia perniciosa
  • Doença de Addison
  • Diabetes mellitus
  • Hipoparatiroidismo
  • Miastenia grave
  • Alopecia areata
  • Esclerodermia
  • Nevo halo
  • Melanoma

Quando o vitiligo está associado a essas doenças autoimunes, tem maior risco de se disseminar para toda a pele.

Hipótese neurogênica

Sugere que as terminações nervosas na pele liberem substâncias que inibam ou causem danos aos melanócitos.

Essa possibilidade é sugerida pela coincidência de casos de vitiligo seguirem, aparentemente, o trajeto dos nervos (vitiligo segmentar), além da constatação de lesão  nos nervos, através de microscopia eletrônica.

Hipótese autotóxica

Ocorreria a autodestruição dos melanócitos por falha nos mecanismos de autodepuração de produtos derivados da melanina que teriam efeitos tóxicos sobre essas células.

Essa hipótese nasce da constatação clínica de lesões indistinguíveis do vitiligo desencadeadas por produtos químicos de comprovada ação tóxica aos melanócitos.

Manifestações clínicas do vitiligo

O vitiligo manifesta-se, no início, apenas por perda parcial do pigmento melanina, especialmente no rosto, dificultando o diagnóstico.

Queimadura solar severa, gravidez, trauma na pele e estresse emocional podem desencadear a doença.

A sua evolução é imprevisível. As lesões podem permanecer estáveis ou progredir lentamente durante anos.

Na maioria dos casos, a extensão e a distribuição das lesões são modificadas pelo crescimento das lesões ou por aparecimento de novas.

A progressão da doença é mais provável nos pacientes com história familiar de vitiligo, um tempo de duração maior da doença e o comprometimento das mucosas.

Pode se instalar rapidamente em alguns meses, de maneira progressiva, permanecendo instável por vários anos.

As manchas predominam na pele mais rica em melanócitos e sujeitas a atrito, como:

  • Face
  • Axilas
  • Regiões inguinais (virilhas)
  • Genital
  • Dorso das mãos
  • Aréola da mama
  • Pés
  • Joelhos
  • Cotovelos
Vitiligo disseminado
Vitiligo no joelho

A distribuição das lesões tende a ser simétrica. Também pode seguir a distribuição de dermátomo, ou seja, seguindo as linhas de força da pele, unilateral, geralmente no rosto (segue trajeto do nervo trigêmio), conhecido como vitiligo segmentar.

Vitiligo segmentar
Vitiligo segmentar

Este surge geralmente na infância e raramente se propaga para outros locais.

Os pelos da mancha permanecem com a cor normal por um tempo, porém tendem a se tornar brancos com o avançar da doença, conhecido como poliose e afetando a cabeça, sobrancelhas e cílios. 

Vitiligo com poliose (cabelo branco)

Essa mudança é indicador de mau prognóstico em relação à repigmentação por ser o pelo o maior estoque de melanina. A margem da lesão é mais escura do que a pele ao redor. 

A repigmentação espontânea, que ocorre em 10 a 20% dos casos, é determinada por alguns fatores.

Regiões ricas em pelo, como o rosto, têm bom prognóstico, enquanto mucosas, ponta dos dedos e sobre saliências ósseas como cotovelos, maléolos e articulações dos dedos das mãos, são difíceis de voltar à cor normal.

Os casos com tempo de evolução inferior a 2 anos são mais fáceis de curar e, por isso, o tratamento deve ser iniciado o mais precocemente possível.

As crianças apresentam mais facilidade de curar do que os adultos, assim como as pessoas de pele escura. A recuperação da cor geralmente se inicia ao redor do pelo.

Outras patologias como a uveíte (inflamação no olho) e cabelos brancos prematuros podem ocorrer. O vitiligo pode chegar a atingir quase toda a pele.

Pode ainda ocorrer surdez e aumento de 3 vezes a probabilidade de câncer de pele, inclusive de melanoma. Este último tem melhor prognóstico (menos chance de metástase) quando associado ao vitiligo.

Efeito psicológico do vitiligo

O vitiligo tem efeito devastador no lado psicológico dos pacientes, especialmente nas mulheres e nas pessoas de pele escura.

As crianças sofrem severo trauma psicológico, comprometendo o relacionamento social e o desenvolvimento emocional.

Em países como o Brasil, com alta incidência de hanseníase, os pacientes sofrem muito as consequências de preconceito por ser confundida com o vitiligo.

Tratamento do vitiligo

É uma doença de difícil tratamento e o prognóstico depende dos fatores enumerados acima.

A resposta ao tratamento é melhor avaliada após completar 3 meses. O rosto, pescoço, tronco e membros (exceto mãos e pés) respondem melhor, enquanto os lábios, genital e extremidades dos membros são mais resistentes.

A repigmentação é iniciada, além de ao redor dos pelos, também na periferia da mancha.

A escolha do tratamento depende de vários fatores, como:

  • O tipo de vitiligo
  • A extensão
  • A localização
  • Se está em atividade de expansão
  • A idade
  • O fototipo (cor da pele)
  • O efeito na qualidade de vida do paciente
  • A motivação
  • O poder econômico

O caso com poucas lesões pode ser aplicado corticosteróide ou imunomoduladores, como pimecrolimo e tacrolimo, estes 2 últimos, preferencialmente no rosto.

Muito eficiente e a mais utilizada é a fototerapia, tratamento que utiliza radiação derivada do Sol, emitida dentro de uma cabine

Esta última, quando associada a outras modalidades de tratamento, pode ser muito efetiva. A aplicação do excimer laser é muito eficaz apesar de ser muito caro.

Se não houver resposta e tiver evolução superior a 1 ano, deve ser realizada cirurgia através de retirada de pele normal em local coberto e enxerto na mancha.

Os casos que apresentam evolução muito rápida, devem ser tratados com ingestão de corticosteróide em baixas doses, evitando o uso prolongado e sempre acompanhados pelo dermatologista para prevenir os efeitos colaterais.

O vitiligo segmentar deve ser tratado da mesma maneira que o localizado. 

Os casos extensos exigem a fototerapia, sendo preferível associar ao tratamento de aplicação tópica

Se você quiser saber mais sobre doenças de pele e cuidados com a saúde, não deixe de nos seguir no Instagram, no Youtube ou  no Facebook!

Verruga viral: doença da pele causada pela transmissão do HPV

A verruga viral é uma doença da pele provocada pela transmissão do vírus papiloma vírus (HPV), atingindo a pele e as mucosas.

É uma doença muito vista no consultório do dermatologista e é comum nas crianças, sendo a manifestação clínica mais frequente do vírus HPV.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre a verruga viral.

Incidência da verruga viral

O HPV é o vírus mais comum que habita a pele, sem predileção por sexo ou raça.

Infecta 5% da população e apresenta grande aumento de incidência naqueles com a imunidade diminuída, como os transplantados de órgãos, especialmente nos transplantados renais.

Representa 10% da consulta do dermatologista, sendo que a verruga vulgar e a plantar constituem 90% delas.

Predomina nas crianças e adolescentes os casos relacionados às verrugas na pele, porém as lesões localizadas nos genitais (pele e mucosa) são mais comuns nos adultos  jovens, mais ativos sexualmente.

Qual é a causa da verruga viral?

Existem mais de 200 subtipos do vírus HPV causadores da verruga viral que podem se instalar em qualquer parte da pele e são transmitidos através do contato direto e favorecido pelo trauma e maceração, explicando a maior ocorrência em manipuladores de carne, peixe e aves.

Nas mucosas, a principal maneira de transmissão é através do ato sexual.

As condições do hospedeiro também são importantes, relacionadas à diminuição da imunidade por doenças, como a AIDS e a dermatite atópica, e por medicamentos como os utilizados para evitar a rejeição de transplante de órgãos.

Nesses pacientes com imunidade baixa, além de terem uma tendência a serem mais numerosas e de recidivarem mais após o tratamento, têm maior poder de gerar lesões malignas, especialmente quando associadas aos subtipos virais 6, 11, 16 e 18.

O reservatório do vírus está localizado na própria verruga e na pele aparentemente sã. A transmissão por contiguidade é mais frequente nas mucosas 

Manifestações clínicas da verruga viral

O período de incubação não está bem determinado devido à impossibilidade de o vírus ser cultivado, porém, é possível que seja entre 2 a 6 meses.

A involução espontânea da verruga viral é mais frequente em crianças do que em adultos, ocorrendo em dois terços das crianças e demorando até alguns anos nos adultos.

Os pacientes com imunidade preservada tendem a ter mais chance de desaparecimento espontâneo das lesões, porém a recidiva é frequente.

Existem variações clínicas das verrugas, como a vulgar, a plantar, a filiforme e a plana, dependendo da forma das lesões e da localização ser na pele ou nas mucosas.

Há ainda uma correlação entre tipos clínicos e subtipos virais. Assim, por exemplo, as verrugas vulgares e plantares estão associadas aos subtipos 1, 2 e 4.

Saiba mais sobre cada uma das variações clínicas da verruga viral:

Verruga vulgar

Responsável por 70% dos casos, se manifesta por pápula (carocinho) de superfície áspera (rugosa), dura, e com pontos enegrecidos, consequente à trombose de pequenos vasos sanguíneos.

Localiza-se geralmente nos dedos das mãos e dos pés, especialmente, ao redor das unhas, além de cotovelos e joelhos, muito frequente nas crianças.

Verruga vulgar no pé

Podem permanecer isoladas, se tornar numerosas ou coalescer para formar lesões maiores, em placas.

As lesões localizadas na face palmar dos dedos das mãos e palmas são dolorosas. Tem evolução muito variável em relação à involução

Verruga plana

Essa variação clínica da verruga viral manifesta-se por pequenas pápulas de superfície lisa, com superfície achatada ou discretamente elevadas, geralmente em grande número, comum nas crianças

Localiza-se no dorso das mãos, nos antebraços e na face. É comum as lesões adquirirem uma disposição linear, consequente à reprodução da lesão devido ao trauma, conhecido como fenômeno isomórfico de Koebner.

Verruga plana
Verruga plana

Verruga plantar

É a segunda forma clínica mais frequente, conhecida popularmente como “olho de peixe”.

Quando se localiza nas áreas de maior pressão, como calcanhares ou metatarso, pode ser confundida com um calo. Diferencia-se deste por ter sua parte central com aspecto áspero e perda dos dermatóglifos (linhas naturais da pele), podendo apresentar pontos enegrecidos, estes últimos indicadores de início de desaparecimento da verruga, além de  ser cercada por anel  de textura mais lisa.

Verruga Plantar
Verruga Plantar

São dolorosas, principalmente durante o caminhar.

As lesões podem ser únicas ou em maior número, podendo confluir e formar placa superficial. Quando se aprofunda na pele é conhecida como mirmécia.

O aparecimento de pontos enegrecidos em sua superfície, consequente à trombose dos capilares na superfície da pele, denuncia involução espontânea.

Verruga filiforme

Essa verruga viral tem crescimento que atinge maior altura, tomando formato de dedos (digitiforme). Localiza-se ao redor de orifícios da face, como boca e olhos, além do couro cabeludo. Tende a ser única e comum nas crianças.

Verruga Filiforme

Condiloma acuminado

Popularmente conhecida como crista de galo, está mais relacionada aos subtipos de HPV tipo 6 e 11, se localiza em diferentes partes do corpo, como:

  • Parte externa do genital, masculino e feminino
  • Períneo (região entre o genital e anus)
  • Ânus e ao seu redor
  • Região inguinal
  • Púbis

Pode se estender para a uretra e o colo uterino. Manifesta-se por lesões vegetantes, friáveis, avermelhadas, únicas ou múltiplas e podendo confluir, semelhante à couve-flor, quando localizada na mucosa genital, quando perdem o aspecto áspero das verrugas. 

Adquire aspecto semelhante ao das verrugas quando acomete a pele ao redor do genital. 

Papulose bowenóide

Manifesta-se como pequenas pápulas escuras, assintomáticas, localizadas no pênis e na vulva. Pode ser confundida com condiloma acuminado.

Mais importante ainda, revela células atípicas (células de câncer) na epiderme (parte mais superficial da pele), porém não se transforma nessa doença se o indivíduo não tiver baixa da imunidade, ao contrário do que acontece, por exemplo, nos portadores do HIV.

Eritroplasia de Queyrat

Essa verruga viral é relacionada aos subtipos de HPV com maior potencial de estimular a transformação em carcinoma epidermóide (câncer de pele). Manifesta-se por placa infiltrada, avermelhada, bem delimitada, na glande ou no prepúcio.

Por representar um carcinoma “in situ”, ou seja, revelar células de câncer na parte mais superficial da pele, a  epiderme, onde ainda não existe risco de metástase, deve ser removida para evitar que se estenda à parte mais profunda da pele, quando se transforma num verdadeiro câncer de pele.

Transformação maligna

Pode se transformar em carcinoma epidermóide com pouco potencial de agressividade, quando associada aos subtipos de HPV 6 e 11, existentes no condiloma acuminado e com alto risco de transformação maligna quando associada com os subtipos 16 e 18.

Tratamento da verruga viral

Recomenda-se que o tratamento da verruga viral seja auxiliado por um médico especializado que irá indicar as melhores técnicas para sua remoção com segurança.

Pode ser utilizado substâncias que destruam as células da verruga e, indiretamente, também o vírus, como:

  • O ácido salicílico
  • O ácido tricloroacético
  • A podofilina
  • A podofilotoxina
  • O 5-fluoruracil
  • O imiquimod

Os procedimentos cirúrgicos são muito efetivos como criocirurgia, eletrocirurgia com ou sem curetagem, laser de CO₂ e terapia fotodinâmica. A hipnose tem demonstrado ser efetiva.

A utilização de vacina para prevenir o câncer de colo uterino está relacionada aos subtipos 6, 11, 16 e 18 e deve ser aplicada antes do início da atividade sexual, em mulheres entre 9 e 16 anos.

Existem 2 tipos comerciais dessa vacina: vacina polivalente que protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 e a bivalente que protege contra os dos subtipos 16 e 18.

Agora que você já sabe mais sobre a verruga viral, continue lendo e saiba mais sobre a teledermatologia.

Como escolher os melhores sabonetes hidratantes e cremes para pele seca e prurido?

Os sabonetes hidratantes são essenciais para combater a pele seca e a coceira, assim como as loções e cremes com essa mesma função.

A pele seca é comum nos idosos, nos portadores de alergia, como asma, rinite, dermatite atópica e nos portadores do HIV.

Também acontece em pessoas que vivem nos países de clima frio e que são obrigadas a usar aquecedor no inverno, tornando o ambiente com baixa umidade e, consequentemente, gerando ressecamento da pele.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre os sabonetes hidratantes e sua relação com a pele seca e prurido!

Pele seca e prurido

O excesso de banho pode induzir ou agravar o estado de pele seca,

Pele Seca

principalmente com a água quente. De modo a minimizar isso, a temperatura do banho deve ser ligeiramente elevada (quebrada a frieza) e também deve ser evitada a fricção excessiva da pele, especialmente com esponja. As pessoas que tenham pele excessivamente seca, recomenda-se o banho de imersão contendo substâncias especiais  durante 20 minutos.

A ruptura das células da pele, os corneócitos, é gerada pela umidade do ar abaixo de 15% e pela remoção da gordura natural, gerada pelo uso de sabões e detergentes.

Isso provoca a consequente eliminação de substâncias indutoras de inflamação da pele, levando a eczema e prurido.

A elevação da umidade ambiental para 60%, durante o inverno, através de aparelhos de aquecimento, pode ser benéfica para amenizar a sensação de pele seca.

Sabonetes hidratantes e cremes para pele seca e prurido

Os sabonetes comuns têm PH alcalino, entre 10 e 11, o que pode alterar a flora bacteriana da pele e aumentar o pH da camada córnea, a mais superficial da pele e a mais importante na função de barreira contra a penetração de microrganismos e a perda de água, que acontece de forma invisível.

A consequência do uso desses sabonetes é o dano à barreira natural de proteção da pele em relação à umidade, agravando o ressecamento da pele e, consequentemente, gerando o prurido (coceira).

Os sabonetes hidratantes especiais, conhecidos como detergentes sintéticos ou syndets, têm pH ácido (pH baixo), preservando o pH normal da pele, que é de 5,5. O ideal é ele ser o menos perfumado possível.

Eles apresentam como componente o ácido esteárico que atua como um ingrediente protetor e hidratante.

Essa aproximação de pH ácido da pele gera a capacidade de eles serem menos irritantes do que os sabonetes tradicionais e poderem fortalecer a função de barreira da pele. São vendidos na apresentação em barra e em líquido.

A enzima protease serina da pele, que participa da indução da coceira (prurido), é inibida por esses sabonetes hidratantes de baixo pH.

A importância dos sabonetes hidratantes e aplicação de loções e cremes

A quantidade de gordura na pele varia de acordo com a região do corpo. Assim, o teor de lipídio no hidratante deve ser maior nos membros inferiores (a perna é a região mais seca do corpo), nas palmas e plantas, regiões mais pobres nesse componente, através do veículo em creme.

A face e o abdômen, por serem regiões mais oleosas, exigem veículo em loção, mais rico em água.

A ictiose representa uma acentuação do ressecamento da pele onde se evidencia descamação, exigindo cremes hidratantes mais eficientes. 

Ictiose (Pele Seca)

Além do uso de sabonetes hidratantes, é muito importante a aplicação regular de cremes que tenham a propriedade de restaurar a quantidade de água e gorduras perdidas pela pele.

O hidratante ideal simula os lipídeos (gorduras) da epiderme (camada mais superficial da pele) e deve conter substâncias oclusivas, umectantes e emolientes.

A perda de água é recuperada através de umectantes, ou seja, substâncias solúveis, capazes de atrair grandes quantidades de moléculas de água da derme (camada abaixo da epiderme) para a mais externa da epiderme e do meio ambiente, se este estiver com a umidade local alta.

Essa captação será maior ainda se a pele estiver com água (úmida, após o banho). Os principais umectantes são:

  • Glicerol
  • Lactato de amônio
  • Ureia
  • Acetato de sódio
  • Propilenoglicol

Porém, os portadores  de dermatite atópica devem evitar os cremes hidratantes contendo ureia e lactato de amônio.

Os umectantes são mais efetivos se estiverem associados, na mesma formulação, com substâncias que tenham a propriedade oclusiva de inibição da evaporação da água, formando um filme hidrofóbico na superfície da pele, como:

  • Vaselina
  • Dimeticone (o mais utilizado recentemente),
  • Óleo mineral
  • Silicone
  • Cera de abelha

A reposição de gordura é realizada através da aplicação de cremes contendo ceramida

Medicamentos contendo a combinação desses componentes são essenciais para o combate ao ressecamento da pele.

Aplicação dos sabonetes hidratantes e cremes

Os sabonetes hidratantes devem ser utilizados diariamente no banho  em pessoas que sofrem de pele seca e de prurido.

Banho em excesso provoca ressecamento da pele  nos indivíduos que têm tendência a desenvolver eczema (dermatite), especialmente o atópico, porém se tomado apenas uma vez ao dia ajuda na higienização e umidificação da pele.

Além disso, os cremes e loções devem ser aplicados imediatamente após o banho, antes de 3 minutos, não secando a pele completamente.

Os hidratantes com sensação mais oleosa, como os oclusivos, apesar de serem mais efetivos, não geram muita adesão dos pacientes por terem consistência desagradável, pegajosa, em contato com a pele. Essas preparações devem ser reservadas para o uso durante o sono.

Em resumo, a hidratação da pele é fundamental para a restauração e  a manutenção da barreira cutânea, controle da coceira (prurido) e prevenção de infecções da pele.

Agora que você já sabe mais sobre os sabonetes hidratantes e cremes para pele seca e prurido, continue a leitura e saiba mais sobre a Vitamina D.

Saiba mais sobre a pitiríase alba

A pitiríase alba é uma doença comum com predominância nas crianças e adolescentes.

Ela é caracterizada por escamas finas e por manchas mais claras do que a pele normal; por isso, tem esse nome: o termo pitiríase significa escamas e as manchas brancas foram caracterizadas com a palavra alba.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre a pitiríase alba!

Incidência da pitiríase alba

A pitiríase alba é mais comum entre 3 a 16 anos e 90% ocorrem em menores de 12 anos.

Embora seja mais frequente em portadores de atopia, doença manifestada por asma, rinite e dermatite atópica, pode também ocorrer em pacientes não atópicos.

Não há predomínio de cor da pele, embora seja mais perceptível nas pessoas de pele escura.

Torna-se mais evidente no verão, já que o sol escurece a pele normal ao redor da pitiríase alba, porém não a mancha branca.

Qual é a causa da pitiríase alba?

Representa uma fase inicial da dermatite atópica.

Os melanócitos, células responsáveis pela produção do pigmento melanina, estão funcionando menos ativamente, por alterações degenerativas neles.

Manifestações clínicas da pitiríase alba

Embora inicialmente se manifeste por manchas eritematosas (avermelhadas), essa fase raramente é percebida pelo paciente.

Na maioria dos casos são observadas manchas hipocrômicas (mais claras do que a pele ao redor), bordas mal delimitadas (borradas), redondas ou ovais, geralmente com escamas discretas. A mancha e a pele ao redor apresentam acentuação do pelo (pele arrepiada) e seca, comum nos pacientes portadores de alergia como asma e rinite.

Localizam-se no rosto, especialmente nas regiões malares (bochechas), braços e tórax.

Pitiríase alba, mancha branca

O número de lesões varia de 4 a 20, medem 0,5 a 5 centímetros. Majoritariamente é assintomática, embora o paciente possa referir discreto prurido (coceira), podendo representar um estágio anterior à dermatite atópica.

Pitiríase alba, manchas brancas

Pode coexistir com as lesões inflamatórias do eczema atópico, que se manifesta como manchas avermelhadas e pruriginosas nas dobras dos cotovelos e dos joelhos, o que reforça a relação entre eles.

As manchas desaparecem espontaneamente num período de vários meses a alguns anos, embora isso aconteça, na maioria dos casos, em um ano.  

Como é feito o diagnóstico de pitiríase alba?

O diagnóstico é realizado apenas com o exame da pele, porém, em caso de dúvida, pode ser utilizada a lâmpada de Wood para diferenciar do vitiligo e a pitiríase versicolor.

O exame micológico pode excluir a possibilidade da pitiríase versicolor. A biópsia de pele pode ser necessária para diferenciar do linfoma (câncer) originado na pele e conhecido como micose fungóide hipocromiante, também frequente na faixa etária da pitiríase alba.

Sem o exame, a pitiríase alba pode ser confundida com outras patologias, como:

  • Pitiríase versicolor, mais conhecida por pano branco
  • Hipocromia pós inflamatória (manchas claras após inflamação da pele, especialmente nas pessoas de pele mais escura)
  • Vitiligo
  • Haseníase na fase indeterminada (fase inicial da doença)
  • Psoríase
  • Dermatite seborreica
  • Micose fungóide (linfoma originado na pele)
  • Esclerodermia cutânea
  • Efeito colateral da aplicação prolongada de corticosteróide na pele

Tratamento da pitiríase alba

A aplicação regular do filtro solar impede o bronzeamento da pele ao redor, tornando as manchas menos visíveis.

Para outras formas de tratamento, é essencial buscar o auxílio médico que irá recomendar as melhores medicações para cada caso.

Em geral, é feita a aplicação de corticosteróide de baixa potência anti-inflamatória que pode reduzir o eritema (inflamação, raramente observada) e o prurido, também raramente presente.

Os inibidores da calcineurina, em creme e pomada, embora caros, são muito eficazes. Os análogos da vitamina D, tem eficácia semelhante aos inibidores da calcineurina.

A aplicação de cremes hidratantes, especialmente os contendo ceramida, podem acelerar a cura, porém os resultados são inferiores aos inibidores da calcineurina.

Os casos com comprometimento extenso da pele podem ser controlados com a fototerapia, através de fotoquimioterapia (associação de psoraleno e radiação ultravioleta A) e fototerapia direcionada à lesão de pele através do laser excimer de 308 nm.

Lembrando que apenas um médico especializado poderá recomendar o melhor tratamento para cada caso.

Agora que você já sabe mais sobre a pitiríase alba, que tal nos seguir no Instagram, no Youtube ou no Facebook para saber mais sobre doenças de pele e receber dicas de saúde?

Foliculite infecciosa: o que é, quais são os sintomas e como tratar?

A foliculite infecciosa é consequência da inflamação da parte superficial e até a profunda do folículo piloso (pelo).

Quando ela é superficial se manifesta por pústulas (bolhinhas de pus) e pápulas eritematosas (carocinhos) no interior do pelo. Os nódulos são uma característica da inflamação que atinge a parte profunda.

A foliculite infecciosa é causada, na maioria dos casos, por bactérias, mas outros microorganismos também são responsáveis como fungos, vírus e parasitas.

Continue lendo e saiba mais sobre essa doença!

Foliculite infecciosa bacteriana

Como já mencionado, a infecção bacteriana é a causa mais comum de foliculite infecciosa. As bactérias mais responsáveis são o Staphylococcus aureus e as bactérias gram-negativas:

Staphylococcus aureus

É uma bactéria gram-positiva. É a causa mais frequente da foliculite bacteriana, também conhecida como impetigo de Bockhart.

Foliculite gram-negativa

Pseudomonas aeruginosa é uma bactéria gram-negativa e causadora de infecção no pelo em consequência do contato com a água contaminada por essa bactéria em banheira de hidromassagem e piscina 

É consequência de concentração abaixo do recomendado de cloro nesses ambientes.

Outros organismos responsáveis ​​pela foliculite gram-negativa incluem as espécies Klebsiella, Enterobacter e Proteus em consequência do uso prolongado da tetraciclina no tratamento da acne juvenil.

Fatores predisponentes da foliculite infecciosa

Confira quais são os fatores que podem aumentar o risco de foliculite:

  • Reservatório natural dentro do nariz e que ocorre em um terço da população
  • Oclusão de folículos pilosos por roupa apertada
  • Hiperidrose (excesso de sudorese)
  • Doenças que cursam com coceira, como dermatite atópica e escabiose pelo atrito na pele
  • Aplicação prolongada de corticosteróide na pele
  • Antibioticoterapia de forma prolongada por via oral para acne
  • Ato de barbear contrário à direção do crescimento do pelo
  • Exposição às banheiras de hidromassagem ou piscinas aquecidas

Manifestações clínicas

 A foliculite infecciosa bacteriana, quando atinge apenas a parte superficial do pelo, se manifesta por pústulas (acúmulo de pus) ou pápulas (carocinhos) avermelhadas, tendo no centro o pelo, associado à dor à palpação, especialmente no nariz.

Foliculite no nariz

A foliculite é mais comum no couro cabeludo e no rosto. Outros locais frequentes são o tórax, nádegas e pernas, bem como as axilas, em bebês e crianças. As mulheres são mais suceptíveis à foliculite pelo hábito da tricotomia (remoção dos pelos), porém, ultimamente, os homens também têm tido mais foliculite  por esse hábito também ter  sido incorporado a eles.

Foliculite na perna

A foliculite da barba, tendo como sinônimo sicose da barba, atinge a profundidade do pelo, no rosto e na nuca, causada, frequentemente, pelo S. aureus.

Manifesta-se, por pústulas dolorosas sobre placa elevada, avermelhada, envolvendo múltiplos folículos pilosos, agravado e mantido pelo ato de barbear.

Foliculite da barba

A foliculite induzida por Pseudomona aeruginosa se apresenta com manchas avermelhadas, pápulas ou pústulas. A erupção aparece 8 a 48 horas após a exposição e ocorre principalmente no tronco e nádegas, correspondente ao contato com a água contaminada.

A infecção profunda do folículo piloso pode levar ainda ao desenvolvimento do furúnculo, manifestado por nódulo (caroço) avermelhado e quente, frequente em áreas de atrito como nádegas e axilas, a partir de foliculite ou já como tal, associado a dor intensa.

Furúnculo na axila

Ao contrário da foliculite, deixa cicatriz.

Uma variedade de furúnculo é a furunculose que se manifesta pelo surgimento de vários furúnculos simultaneamente, distribuídos amplamente em uma região do corpo.

Furunculose

Furúnculos múltiplos e agrupados podem coalescer para formar o antraz. Na maioria desses casos, o S. aureus é a causa. 

Diagnóstico da foliculite infecciosa

A foliculite infecciosa bacteriana geralmente é diagnosticada por meio da história do paciente e do exame da pele. O diagnóstico deve ser suspeito em pacientes com pápulas ou pústulas no pelo.

Pacientes imunossuprimidos podem ter um risco aumentado de foliculite fúngica ou viral, garantindo maior presença desses distúrbios no diagnóstico diferencial de foliculite bacteriana.

O reconhecimento da distribuição da foliculite também pode ser útil.

A foliculite limitada ao couro cabeludo e/ou face geralmente é secundária a S. aureus. A foliculite por Pseudomonas geralmente ocorre em áreas da pele expostas à água contaminada, como já mencionado

Exames de laboratório são reservados principalmente para pacientes com diagnóstico duvidoso ou doença resistente ao tratamento.

Uma coloração de Gram e a cultura do conteúdo de uma pústula podem confirmar a presença de infecção e identificar o organismo causador

Tratamento da foliculite infecciosa

A etiologia da foliculite influencia a escolha do antibiótico. Por isso, é imprescindível consultar um médico especializado para fazer o tratamento correto.

Como a foliculite por S. aureus é a forma mais comum de foliculite bacteriana, os pacientes geralmente são tratados para essa infecção, desde que a história e o exame físico não sugiram outro tipo de foliculite. Uma avaliação para confirmar o diagnóstico é prudente quando os pacientes não respondem ao tratamento.

No caso de foliculite infecciosa estafilocócica, o tratamento nem sempre é necessário quando existem poucas lesões já que, geralmente, desaparecem espontaneamente.

Os pacientes com numerosas pápulas e pústulas ou com comprometimento de mais de uma área corporal são bons candidatos para serem tratados. A foliculite que não desaparece espontaneamente após espera de várias semanas também deve ser tratada.

A antibioticoterapia tópica é suficiente para muitos casos de foliculite infecciosa bacteriana. Os antibióticos de primeira linha preferidos são a mupirocina, a clindamicina e a retapamulina.

O ácido fusídico (creme) é uma opção adicional de tratamento de primeira linha, porém,  tem sido observado uma resistência crescente do S. aureus ao ácido fusídico e também à eritromicina.

Os antibióticos por via oral são indicados para pacientes com:

  • Envolvimento cutâneo extenso
  • Foliculite estafilocócica recidivante ou refratária após terapia tópica
  • Foliculite profunda como a da barba

Um curso de 7 a 10 dias é geralmente suficiente. Devido à alta frequência de resistência à penicilina, outros antibióticos como a dicloxacilina e a cefalexina são tratamentos por via oral de primeira escolha. 

A foliculite estafilocócica, particularmente no couro cabeludo ou no tronco, às vezes é persistente ou recorrente, apesar do tratamento. Não existe um consenso sobre a melhor abordagem para a foliculite estafilocócica refratária.

Nessa situação, os pacientes recebem frequentemente cursos prolongados de antibióticos orais de até três meses.

A foliculite relacionada à Pseudomonas é frequentemente autolimitada e desaparece em 7 a 10 dias com apenas uma boa higiene da pele. Evitar a água contaminada e realizar a cloração adequada de piscinas e banheiras de hidromassagem é preventivo. 

Ciprofloxacina por via oral pode ser usada em casos graves ou em pacientes com a imunidade baixa.

Vale ressaltar que automedicação não é indicada e pode ter um efeito negativo no paciente.

Prevenção da foliculite infecciosa

A melhor abordagem para a prevenção de recidiva não foi definida. Evitar fatores predisponentes para foliculite, como o uso de roupas apertadas e excesso de sudorese, podem ser úteis.

Um regime de descolonização, como um curso de cinco dias de mupirocina dentro do nariz e lavagens diárias do corpo com clorexidina, além da descontaminação diária de itens pessoais, como toalhas e roupas, são indicados para pacientes com foliculite recorrente.

Se você está com sintomas de foliculite infecciosa, marque uma consulta conosco para iniciar o melhor tratamento para o seu caso. Somos uma clínica especializada em dermatologia.

O que predispõe ao eczema de contato?

A dermatite ou eczema de contato é definida como uma alergia na pele e manifestado por inflamação

Ela provoca aspecto avermelhado associado à descamação e prurido (coceira) e está relacionada ao contato de substâncias com a pele e  que pode ser um alérgeno (substância que desencadeia reação alérgica) ou um irritante (uma substância que danifica a pele).

Os irritantes são responsáveis por aproximadamente 80% dos casos.

Continue lendo o nosso post e confira quais são os fatores predisponentes do eczema de contato e como deve ser realizado o tratamento.

Fatores predisponentes do eczema de contato

Confira quais são os fatores que predispõem ao eczema de contato:

Idade

Crianças

As crianças são menos expostas ao contato com substâncias geradoras de eczema de contato. O mecanismo mais frequente é o de irritação (não envolvendo alergia).

O maior exemplo é o de dermatite de fraldas gerado pelo contato com urina e fezes, agravado pela umidade e fricção das fraldas.

Em seguida,em frequência, o contato com metais (bijuteria), especialmente o sulfato de níquel,contido em metais de bijoterias, e o bicromato de potássio (existente na confecção do couro do sapato), além de fragrâncias.

Adolescentes

Correspondem a 10% dos casos de eczema de contato, contido nos metais (sulfato de níquel e cloreto de cobalto), esmalte de unha (resina tolueno-sulfonamida). Essas substâncias, em contato com a pele, geram inflamação através de mecanismo alérgico.

Adultos

Essa é a faixa etária mais frequentemente afetada pelo eczema de contato.

O contato com sabões e detergentes é o causador mais frequente,atuando por simples mecanismo irritante (não mecanismo alérgico) e, normalmente, relacionado à profissão, como a de dona de casa.

Os casos por mecanismo alérgico têm como principais agentes etiológicos o sulfato de níquel, o cromo e o cobalto, contidos nos metais de bijuteria, além dos componentes da borracha.

Idosos

O contato com medicamentos, especialmente com o sulfato de neomicina, muito aplicado para tratar úlcera (ferida) de perna, são os maiores responsáveis pelo eczema de contato nessa faixa etária.

Pele Negra

A pele negra é mais resistente à dermatite de contato, tipo irritativa, como aos sabões e detergentes.

Outras doenças da pele

Doenças que causam a inflamação da pele, como a psoríase e a dermatite atópica, facilitam a instalação de dermatite de contato por substâncias irritantes por gerar menor resistência à penetração delas, como aos sabões e  aos detergentes.

A sensibilização alérgica aos medicamentos aplicados e ao material da borracha, no caso de dermatite de contato das mãos, também contribuem para o eczema de contato.

Localização do eczema de contato

As localizações mais frequentes são aquelas mais expostas ao contato com as substâncias como as mãos, a face, o pescoço e os pés.

As regiões onde a pele é mais espessa, têm maior resistência ao desenvolvimento de dermatite de contato em consequência da menor penetração de substâncias, como a palma e a planta.

Portanto, é maior a probabilidade de desenvolver a doença no dorso das mãos, por exemplo, do que na palma, pelo contato com sabões e detergentes.

Se a substância responsável estiver na roupa ou contaminá-la, os locais mais vulneráveis são aqueles onde exista maior fricção, como as axilas, as coxas, a parte superior das costas e os pés. Nessa última localização, o contato com o material contido no couro do sapato gera inflamação e coceira intensa.

Eczema (dermatite) de contato, alergia ao sapato

Substâncias alérgicas contidas nas mãos podem ser transferidas para outros locais, como as pálpebras e órgão genital, regiões mais susceptíveis por oferecer menor resistência à penetração por terem a pele mais fina.

Um exemplo frequente é o contato do esmalte das unhas com as pálpebras.

Eczema ( dermatite) de contato, alergia ao esmalte

A mão é o local mais frequente na dermatite de contato relacionada à profissão, como nos profissionais que manuseiam alimentos (cozinheiro) ,medicamentos (enfermeiro)  e donas de casa. Nestas últimas, se manifesta por ressecamento e inflamação consequente ao contato com sabão e detergente, atividade comum nesses profissionais.

Eczema (dermatite) de contato, alergia na mão ao sabão

As doenças da pele correspondem a mais de 30% das doenças ocupacionais(medicina do trabalho) e o eczema de contato é responsável por 90 a 95% dessas doenças da pele.

Eczema de contato por irritante

A dermatite de contato por irritante ocorre quando a pele entra em contato com uma substância que provoca agressão do ponto de vista físico, mecânico ou químico, causando o rompimento da barreira normal dela.

Causa do eczema de contato por irritante

As causas mais comuns são produtos de uso cotidiano, incluindo sabão, produtos de limpeza e álcool.

Pessoas com pele seca, especialmente os portadores de alergia hereditária como a atopia (rinite e asma) e de pele clara têm maior risco, embora qualquer pessoa possa desenvolver eczema por irritante primário.

Manifestações clínicas

As substâncias irritantes podem gerar vermelhidão, secura, fissuras (pequenas rachaduras), liquenificação (espessamento e acentuação das linhas da pele) além de descamação e coceira, muito comum nas pessoas portadoras de asma e rinite alérgica.

Eczema (dermatite) de contato, alergia ao álcool em gel

Irritantes fortes,como ácido nítrico, existente, por exemplo, em água-viva

Eczema (dermatite) de contato, alergia a Água-Viva

podem causar, quase que imediatamente após o contato, as manifestações de:

  • Vermelhidão e inchaço
  • Transpiração
  • Dor e ardor
  • Bolhas
  •  

As mãos são comumente afetadas, geralmente entre os dedos.

O eczema de contato por irritante também pode afetar o rosto, especialmente a pele fina das pálpebras.

Diagnóstico de eczema de contato por irritante

O diagnóstico de eczema de contato por irritante geralmente é baseado na história e no exame físico.

Em alguns casos, um teste com adesivo (aplicação de uma pequena quantidade de substância na pele) pode ser recomendado para esclarecer se a dermatite é do tipo alérgica ou por irritante.

Tratamento

O objetivo do tratamento da dermatite de contato irritante é recuperar a barreira normal da pele e protegê-la de adicionais lesões no futuro.

Para isso, é fundamental diminuir ou evitar totalmente a exposição às substâncias irritantes conhecidas. Em alguns casos, diminuir o uso de sabão e aplicar um creme ou pomada emoliente (creme hidratante) alivia completamente os sintomas.

Também recomenda-se usar luvas ao trabalhar com substâncias irritantes, porém não deve exceder o tempo de 2 horas de contato diário com a pele.

As luvas também são muito importantes para as pessoas que lavam as mãos muito frequentemente (mais de 20 vezes ao dia). Nesses casos, é recomendado que seja usada uma luva de tecido de algodão antes da luva de borracha.

Os casos mais intensos exigem o acompanhamento de um dermatologista que irá recomendar corticosteróide tópico sob a forma de creme durante o dia e pomada à noite, preferencialmente com alta potência anti-inflamatória.

Os tratamentos com corticosteróides para dermatite de contato são mais eficazes quando aplicados sob curativo, luvas de algodão ou vaselina. Corticosteróides por via oral, como a prednisona, podem ser usados​​ por apenas  alguns dias para tratar eczemas graves, mas devem ser evitados para o tratamento a longo prazo para evitar graves efeitos colaterais como atrofia(afinamento) da pele

Eczema de contato alérgico

A dermatite alérgica de contato ocorre quando a pele entra em contato direto com um alérgeno. Isso ativa o sistema imunológico, que gera inflamação.

Ela pode ocorrer após a exposição a um novo produto ou após o uso ter acontecido, previamente por meses ou anos. Alérgenos em baixas concentrações requerem exposição de semanas a meses antes de causar eczema.

O paciente pode ajudar a encontrar a causa da dermatite alérgica de contato, fornecendo um histórico de exposições. Se o paciente apresentar dermatite alérgica de contato súbito com bolhas, por exemplo, o histórico de exposição à planta é mais provável.

Por outro lado, no caso da dermatite alérgica de contato crônica, manifestada por vermelhidão e espessamento da pele, deve ser pesquisada a exposição a itens do cotidiano, como roupas, sapatos, cosméticos e metais.

Alérgenos comuns

A hera venenosa, o carvalho venenoso e o sumagre venenoso contêm um óleo chamado urushiol, que é a causa mais comum de eczema de contato alérgica.

A fruta ginkgo e a casca da manga também contêm urushiol e podem ser a causa.

Outros alérgenos comuns são:

  • Níquel em joias
Eczema (dermatite) de contato ao brinco
  • Perfumes e cosméticos
  • Componentes da borracha
  • Esmaltes
  • Produtos químicos em sapatos (couro sintético), conservantes
  • Produtos químicos usados para pintar o cabelo
  • Corticosteróide de uso tópico
  • Colas
  • Plásticos
  • Borracha

Muito frequente é a alergia ao contato com o sulfato de níquel, contido no metal de bijuterias, em relógio e no botão do zipper da calça.

A dermatite alérgica de contato também pode ser desencadeada por certos medicamentos, sendo o mais frequente o sulfato de neomicina. Os detergentes para a roupa também podem ser a causa.

Manifestações clínicas

O sintoma desse tipo de eczema de contato inclui coceira intensa, acompanhada de erupção cutânea avermelhada e que pode formar bolhas, em casos graves.

A erupção cutânea geralmente se limita às áreas que estavam em contato direto com o alérgeno, mas uma erupção cutânea pode aparecer em outras áreas do corpo, se o alérgeno for transferido para essas áreas pelas mãos de uma pessoa ou ser provocado pela propagação da alergia por células (linfócitos) do sangue.

Lavar a pele contendo o alérgeno com água e sabão, geralmente, pode impedir essa propagação.

A erupção cutânea aparece dentro de 12 a 48 horas após a exposição ao alérgeno, embora em alguns casos possa não aparecer por até duas semanas.

É necessário ter havido um contato prévio, antes da erupção para ocorrer a sensibilização

Menos comumente, a erupção persiste por meses ou anos. Nessa situação, é mais difícil a identificação da causa.

Diagnóstico

O diagnóstico do eczema de contato alérgico é baseado na história clínica e no exame físico do paciente.

Se os sintomas melhorarem após a eliminação do alérgeno, isso apoia o diagnóstico. O teste de contato pode ser recomendado em alguns casos para esclarecer o agente etiológico.

Teste de contato, exame de alergia

Tratamento

A dermatite alérgica de contato, na maioria dos casos, desaparece dentro de duas a quatro semanas após a eliminação do alérgeno, embora possa levar mais tempo, em alguns casos.

Várias medidas podem ser adotadas para minimizar a coceira durante esse período e ajudar a controlar esse sintoma em pessoas com dermatite alérgica de contato persistente (crônica).

Sempre que possível, identifique e interrompa toda a exposição ao alérgeno.

Além disso, banhos de aveia ou loções calmantes, como de calamina, podem proporcionar alívio em casos leves.

Os corticosteróides tópicos podem ser recomendados para pessoas com sintomas leves a moderados. Cremes e pomadas corticosteróides estão disponíveis em uma variedade de potência anti-inflamatória, devendo ser consultado um dermatologista para prescrever a mais indicada para o seu caso.

Para os pacientes com coceira mais intensa, recomendam-se compressas úmidas, especialmente quando a área afetada apresenta secreção líquida e com crostas. Esses curativos trazem diversos benefícios:

  • São calmantes
  • Aliviam a coceira
  • Reduzem a vermelhidão
  • Removem delicadamente as crostas
  • Evitam arranhões adicionais

Uma roupa de algodão úmida (a roupa é encharcada de água e depois torcida) é usada sobre a área afetada e coberta com uma seca.

Os adultos podem preferir aplicar curativos molhados à noite. Quando usados ​​durante o dia, os curativos úmidos devem ser trocados a cada oito horas.

Bebês e crianças com envolvimento extenso da pele podem usar pijamas molhados cobertos por um seco ou um saco plástico antes de dormir.

Em pessoas com dermatite grave, pode ser recomendado um período curto de corticosteróides por via oral para controlar os sintomas.

Dermatite de contato ao látex

O látex é um fluido produzido por seringueiras, industrializado em uma variedade de produtos, incluindo luvas, balões e preservativos.

Em alguns indivíduos, a exposição a esses produtos e a outros pode causar eczema de contato por meio de uma reação por irritante ou alérgica. Menos comumente, uma pessoa pode desenvolver uma reação alérgica potencialmente fatal ao látex.

Eczema de contato por irritante ao látex

A dermatite por irritante geralmente ocorre nas mãos de pessoas que usam látex ou outras luvas de borracha, mas o problema não é o látex.

Essas luvas, contenham ou não látex, geralmente contêm aditivos químicos que irritam a pele. Além disso, elas retêm a umidade contra a pele, gerando diminuição da barreira dela à penetração de substâncias e tornando-a vulnerável aos compostos irritantes.

A combinação desses fatores pode levar à inflamação da pele.

As manifestações da dermatite por irritante por borracha ou látex incluem vermelhidão e coceira. Também pode provocar ressecamento e rachaduras.

Pessoas com dermatite por irritante geralmente acreditam ter alergia ao látex e descobrem que a dermatite ocorre mesmo quando usam luvas sem esse componente. O tratamento consiste em evitar produtos que contenham irritantes e usar um creme hidratante.

Alergia ao látex

Causa uma resposta diferente daquela observada na dermatite por irritante.

Uma alergia ao látex pode causar urticária que se manifesta por manchas avermelhadas e urticas (elevação da pele), onde cada lesão dura, no máximo, 24 horas, sempre acompanhada da sensação de coceira intensa.

Outras manifestações incluem irritação ou congestão nasal e ocular, asma e, até mesmo, uma reação potencialmente fatal chamada anafilaxia que impede a respiração decorrente de inchaço nas vias aéreas, como a laringe.

Além disso, as pessoas com alergia ao látex, geralmente, também têm respostas alérgicas às frutas ou vegetais que contêm proteínas semelhantes às encontradas no látex.

Esses alimentos incluem banana, kiwi, abacate, castanha, mamão e tomate.

Diagnóstico e tratamento do eczema de contato ao latex

Se o padrão de manifestação sugere uma alergia ao látex, pode ser confirmado recorrendo a exames de sangue ou na pele. O diagnóstico pode ser feito com testes cutâneos usando derivados do látex.

O tratamento preventivo para alergia ao látex é evitar todos os produtos que contenham esse produto. Luvas sem látex estão amplamente disponíveis.

Os preservativos (camisinha) sem látex podem evitar a gravidez, porém não as doenças sexualmente transmissíveis como HIV e infecções por gonorreia e clamídia.

A população que reage intensamente ao componente deve informar essa reação em qualquer momento através de avisos aderidos à pulseira, colar ou carteira, além de uma referência familiar através do nome e telefone em situação de emergência, especialmente em crianças.

Essa alergia deve ser informada aos profissionais de saúde, como médicos e dentistas. É importante ainda que os pacientes sejam acompanhados de um kit de anafilaxia, incluindo adrenalina, em caso de não dispor de nenhum profissional de saúde ao acontecer uma crise.

Agora que você já sabe tudo sobre o eczema de contato e os seus tipos, continue a leitura e aprenda mais sobre a teledermatologia.