Impetigo: conheça essa infecção comum em crianças

O impetigo é uma infecção bacteriana da parte superficial da pele que predomina na idade de 2 a 5 anos.

Apesar dessa predominância, crianças mais velhas e até adultos também  podem ser afetados por ele.

Essa infecção é provocada pelas bactérias Stafiloccoco aureus e Streptococo.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre o impetigo.

O que causa o impetigo?

O impetigo pode ser classificado como primário, onde a proliferação bacteriana ocorre em pele aparentemente normal e secundário quando surge a partir de pele já comprometida por trauma, picada de inseto ou doenças como eczema.

De modo geral, o impetigo secundário é muito comum como consequência de doenças da pele que cursam com escoriação gerada pelo prurido (coceira) e que geram, consequentemente, porta de entrada para bactéria já existente na pele.

O Stafilococo aureus é a principal bactéria responsável pelo impetigo.

Menos frequentemente encontramos o Streptococo beta-hemolítico, principalmente do tipo A, isoladamente ou combinado ao Stafilococo aureus.

Este produz uma toxina que provoca separação das células da parte superior da pele (epiderme), gerando uma bolha.

Inicialmente, existe a chegada da bactéria Streptococo na pele antes de aparecer a porta de entrada da bactéria, através de algum traumatismo ou ferida na pele.

Algumas condições predispõem o impetigo, como:

  • Clima quente e úmido
  • Situações de maior facilidade de transmissão, como aglomeração de pessoas
  • Populações pobres
  • Pobre higiene
  • Doenças da pele que cursam com prurido (coceira), como a escabiose

Quadro clínico do impetigo

Existem algumas formas clínicas como o impetigo bolhoso, o impetigo não bolhoso e o ectima.

Impetigo não bolhoso

Essa é a forma mais frequente. A lesão se inicia como vesícula (bolhinha d’água) com base avermelhada e, posteriormente, o conteúdo líquido se transforma em pus, conhecido como pústula.

Em seguida, a pústula rompe e seu conteúdo, em contato com o ar, se transforma em crosta amarelada, denominada melicérica (cor semelhante à combinação de mel e cera), espessa e aderente à pele.

Impetigo por estreptococo no rosto

Comumente atinge a face, especialmente ao redor do nariz e da boca, membros superiores e inferiores. Há uma tendência das lesões se multiplicarem e se estenderem a outros locais da pele.

Impetigo bolhoso

Normalmente, atinge crianças de menor idade. O Stafilococo aureus é a bactéria responsável.

As vesículas iniciais aumentam de tamanho para formar pústula menos flácida do que as do impetigo não bolhoso.

Impetigo por estafilococo

Confluem, adquirindo um aspecto circinado (em círculos).

A ruptura da pústula elimina um líquido amarelado, gerando uma crosta mais fina do que a do impetigo não bolhoso.Foto 3

Impetigo por estafilococo

A lesão bem formada consta de crosta amarelada no centro e resto da pústula na periferia.

As lesões são menos numerosas do que no impetigo não bolhoso e predomina no tronco.

Quando ocorre em adultos de forma extensa, é obrigatório a investigação de deficiência imunológica, como a AIDS.

Ectima

O ectima é uma variedade de impetigo caracterizada pelo aprofundamento da infecção, atingindo a parte profunda da pele. Frequentemente, é localizado nas pernas.

Tem o aspecto de uma crosta espessa sobre uma úlcera e rodeado por eritema (vermelhidão)

Em consequência de atingir a profundidade da pele, resulta em cicatriz, após a cura.

Como é feito o diagnóstico de impetigo?

Geralmente, os exames de laboratório não são necessários, bastando um exame físico.

Porém, em casos de dúvidas, pode ser realizada pesquisa das bactérias através do Gram, cultura e antibiograma do material recolhido.

Este último serve para identificar o antibiótico mais adequado para o tratamento.

Complicações

A complicação mais comum dessa doença é a Glomerulonefrite pós-estreptocócica. Ela é uma inflamação dos rins consequente ao impetigo relacionado à bactéria Estreptococo.

Ocorre em uma a duas semanas após a infecção. As manifestações principais são:

  • Edema
  • Hipertensão
  • Febre
  • Sangue na urina (hematúria)

A febre reumática também ocorre após o impetigo estreptocócico.

Tratamento do impetigo

Os casos com poucas lesões são tratados com antibiótico por via tópica. As medicações disponíveis são o ácido fusídico, mupirocina e, recentemente, a retapamulina.

Como relatado antes, é recomendado consultar um especialista e fazer exames para identificar, através cultura da bactéria, o melhor antibiótico para o seu combate.

As vantagens desse tratamento em relação ao tratamento por via oral são os menores efeitos colaterais e menor risco de aquisição de resistência aos antibióticos.

Um efeito colateral do tratamento local é a grande frequência de dermatite de contato ao sulfato de neomicina, antibiótico  que não é  recomendado atualmente

O tratamento por via oral é reservado para os casos com lesões que atingem grande extensão da pele. Devem ser utilizados antibióticos que destruam tanto o Estafilococo como o Estreptococo. A cefalexina e a dicloxacilina são os mais indicados.

As crianças podem retornar à escola, sem risco de contaminação, após 24 horas do início do tratamento.

Agora que você já sabe mais sobre impetigo, que tal continuar a leitura e se informar sobre a importância da Vitamina D?

Tire suas dúvidas sobre o carcinoma basocelular

O carcinoma basocelular é o tumor maligno mais frequente da pele e, por isso, é comum encontrar muitas notícias e informações sobre esse tipo de câncer.

Apesar de atingir muitos pacientes, ele tem uma baixa capacidade de metástase, ou seja, de se propagar para outras partes do corpo.

No post de hoje você aprenderá mais informações sobre o carcinoma basocelular, como a sua incidência, causas e principais tratamentos. Continue lendo e confira!

Incidência do carcinoma basocelular

Tem se observado uma elevação na incidência do carcinoma basocelular, tanto em homens quanto em mulheres, sendo mais frequente nos brancos e raro entre os negros.

Apresenta uma incidência 30% maior nos homens comparado com as mulheres.

À medida que a pessoa envelhece, aumenta a probabilidade de desenvolver esse câncer de pele, já que a faixa etária entre 55 e 75 anos apresenta uma incidência 100 vezes maior do que aqueles com idade inferior a 20 anos.

Quais são as causas do carcinoma basocelular?

A radiação solar, particularmente a ultravioleta B, é a principal causa desse câncer de pele.

Esse efeito nocivo é particularmente incidente nas pessoas mais susceptíveis ao Sol, como:

  • De pele branca
  • Olhos claros
  • Cabelo ruivo
  • Aquelas que se expõem mais à radiação solar

Vale ressaltar que a exposição durante a infância e adolescência é mais nociva do que na vida adulta.

Ao contrário do carcinoma espinocelular, esse câncer de pele é desencadeado com menor efeito cumulativo de exposição ao Sol ao longo da vida.

A exposição solar de forma intermitente e intensa predispõe mais ao carcinoma basocelular do que uma dose semelhante administrada de forma contínua durante o mesmo período, ou seja, exposições esporádicas são suficientes para desencadear o carcinoma basocelular, ao contrário do carcinoma espinocelular, que exige exposição muito frequente.

Isso explica a incidência desse tumor também entre os jovens.

Além da exposição ao ultravioleta B, o carcinoma basocelular também pode ser causado pela radiação ultravioleta A através de câmeras de bronzeamento artificial.

Esses equipamentos apressam o envelhecimento da pele e aumentam o risco do desenvolvimento de carcinoma basocelular, especialmente se existir exposição antes dos 20 anos.

A fototerapia, incluindo a ingestão do medicamento psoraleno, associada à radiação ultravioleta A ou os raios ultravioleta B isoladamente, utilizadas para tratar algumas doenças da pele, também aumenta o risco de desenvolver esse câncer de pele.

Outros  fatores que geram predisposição ao carcinoma basocelular são:

  • Radioterapia indicada para combater o câncer de um modo geral
  • Baixa da imunidade determinada pela administração de medicamentos para tratar outras condições ou por doenças como a AIDS

Infelizmente, os pacientes que desenvolveram o tumor têm 40% a 50% mais chance de ter o mesmo tumor no período de 5 anos.

Manifestações clínicas do carcinoma basocelular

A localização preferencial do carcinoma basocelular é o rosto, em 70% dos casos. O tórax ocupa o segundo lugar com 15%.

Esse câncer de pele raramente acontece nas regiões protegidas do Sol, evidenciando o papel da exposição solar.

Manifesta-se pelo aparecimento de nódulo (tumor) de cor rosada, que brilha, com aspecto translúcido, como uma “pérola” e com vasos sanguíneos dilatados (telangiectasias) na superfície.

Carcinoma Basocelular nodular na orelha

Essas manifestações são mais evidentes na borda do câncer.

Quando não tratado, o tumor pode  sofrer ulceração (surge ferida), mantendo a borda com as características descritas acima.

Carcinoma basocelular no rosto

No tórax, além do tipo já referido, pode se manifestar como manchas avermelhadas, onde a pele do centro da lesão tem aparência mais fina (atrofiada) e a borda discretamente elevada e  brilhante, constituindo o tipo superficial do carcinoma basocelular.

Carcinoma Basocelular tipo superficial

Esse tumor cresce lentamente durante anos e essa característica serve para diferencia-lo de outros tumores malignos como o carcinoma espinocelular que cresce muito mais rápido.

Como já descrito, ele raramente provoca metástase para outras partes do organismo.

Diagnóstico

O reconhecimento do tumor é feito por meio de diferentes exames, como:

  • Exame da pele
  • Dermatoscopia (aparelho aplicado sobre a pele)
  • Exame histopatológico a partir de material removido pela biópsia

Esse último exame é importante para se assegurar que todo o tumor foi removido, além de esclarecer o tipo do carcinoma basocelular, o que é importante para determinar o prognóstico em relação à possibilidade de recidiva, além da escolha do tratamento.

Tratamento e prevenção do carcinoma basocelular

A prevenção através de proteção contra a exposição solar a partir dos 6 meses é muito importante, principalmente antes dos 18 anos.

A prevenção de exposição ao Sol antes desse período diminui o risco de desenvolver câncer de pele em até 78%.

Tratamento

A cirurgia do tumor é o principal método de tratamento, possibilitando confirmar o diagnóstico e saber se o tumor foi removido completamente.

A cirurgia micrográfica de Mohs consta da análise do tumor ao microscópio, realizado no momento da cirurgia, para se assegurar que todo tumor foi removido.

Esse tipo de cirurgia também oferece a precisão de remoção somente do tumor, economizando a  retirada de pele. Além disso, é indicado nos casos de alguns tipos de tumores que têm tendência de recidivar com mais facilidade, especialmente na face, por oferecer muito menor risco de permanecer resto de tumor.

Os pacientes que resistem a se submeterem à cirurgia ou que não tenham condições clínicas de serem submetidos a ela, fazem a aplicação na pele do 5 fluorouracil e do Imiquimod, da curetagem, associada à eletro dissecação, da terapia fotodinâmica, da criocirurgia e da radioterapia.

Os tumores com metástase (muito raro) ou muito avançados no local de origem, podem ser tratados com a ingestão dos medicamentos Vismodegib e Sonidegib.

É muito importante haver o acompanhamento profissional desses pacientes a cada 6 meses durante o primeiro ano após o tratamento e anualmente, posteriormente, justificado pela alta incidência de recidiva, apesar de raramente ser fatal.

Quer saber mais sobre doenças de pele e receber dicas para preveni-las? Então não deixe de nos seguir no Instagram!

Por que a queimadura solar acontece e como tratá-la?

A queimadura solar da pele é muito comum em países quentes, principalmente durante o verão.

Ela é uma resposta de caráter inflamatório, agudo e transitório à exposição excessiva à radiação ultravioleta oriunda do Sol.

Ela também pode ocorrer pela exposição excessiva às fontes artificiais, como a câmera de bronzeamento e de fototerapia.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre a queimadura solar.

Incidência da queimadura solar

A queimadura solar é muito frequente, principalmente nos adolescentes e adultos jovens, acontecendo em 70% e 50%, respectivamente.

Cerca de 95% da radiação ultravioleta que atinge a Terra é composta pelo tipo A, enquanto apenas 5% provém da radiação ultravioleta B.

Mesmo assim, a radiação ultravioleta B é a principal responsável pela queimadura solar, também chamada de eritema, contribuindo com 80% da exposição necessária para causá-la.

A radiação ultravioleta A também pode provocar queimadura solar, mas é necessário uma dose 1000 vezes maior para haver a mesma intensidade de queimadura. 

Os fatores de risco para queimadura solar estão relacionados à maior intensidade de exposição à radiação ultravioleta B, como:

  • Proximidade ao Equador (menor latitude)
  • Proximidade do meio-dia
  • Maior altitude
  • Reflexo da neve (90%), da areia (15% a 30%) e da água (5% a 20%)
  • Pele molhada, que tem maiores chances de queimar do que a seca
  • Consumo exagerado de álcool
  • Ausência de nuvens

O que provoca a queimadura solar?

A suscetibilidade à queimadura solar é muito variável entre as pessoas, especialmente aquelas de pele branca. Ela é um forte indicador de tendência de desenvolver o melanoma, o câncer de pele mais perigoso.

Essa susceptibilidade é avaliada pela dose eritematosa mínima, ou seja, a menor dose de radiação ultravioleta capaz de produzir um eritema (vermelhidão) no local que recebeu a radiação.

A intensidade é o que orienta o fator de proteção solar informado nos filtros solares, FPS 20, 30, etc, e nas câmeras de fototerapia.

Vale ressaltar que a ingestão de certos medicamentos pode tornar a pele mais sensível à queimadura solar, como antidepressivos, diuréticos, anti-hipertensivos e antibióticos, assim como o contato com o suco de limão, castanha do caju e perfumes.

Manifestações clínicas da queimadura solar

Três a cinco horas após a exposição solar surge eritema (vermelhidão), que atinge seu pico em 12 a 24 horas e diminui em 72 horas,

Queimadura solar

acompanhado da sensação de dor tipo queimação, desencadeado pelo calor e pressão sobre a pele.

Essa vermelhidão desaparece em 3 a 7 dias.

A queimadura solar mais intensa se manifesta pela formação de inchaço, vesículas (bolhas pequenas) e bolhas.

Queimadura solar com bolha

Os casos mais graves podem ter manifestações do tipo:

  • Febre
  • Dor de cabeça
  • Vômito
  • Desidratação

A descamação da pele e bronzeamento são observados após quatro a sete dias.

Manchas marrons, frequentemente com as bordas irregulares, surgem na pele exposta ao Sol, tardiamente, conhecidas como lentigo solar.

Lentigo solar

Prevenção e tratamento da queimadura solar

A prevenção da queimadura solar é muito importante para evitar o envelhecimento e o câncer de pele, através do uso regular de filtro solar e de roupas especiais, além de evitar a exposição direta no horário de 10 às 16 horas.

As crianças menores de 6 meses devem ser mantidas longe da exposição direta ao Sol. Também recomenda-se que elas utilizem chapéu de aba larga.

As câmeras de bronzeamento artificial, mesmo utilizando a radiação ultravioleta A, que queima menos a pele do que a radiação ultravioleta B, não protegem contra o risco de queimaduras solares.

Além disso, elas induzem o envelhecimento e o câncer de pele, especialmente o melanoma.

Para o tratamento, é bom utilizar compressas frias, loção de calamina, gel à base de aloe vera para promover o alívio da dor. As bolhas rotas devem ser limpas suavemente com água e sabonete e aplicar curativos.

A aplicação de corticosteróide com alta potência anti-inflamatória e a ingestão de anti-inflamatórios não hormonais podem aliviar a inflamação da pele.

Os casos com graves queimaduras podem necessitar de hospitalização para combater a desidratação, por via venosa, além de anestésicos, também por via parenteral. Por isso, ao sofrer de queimadura solar, recomendamos consultar um médico especializado para checar o melhor tratamento para o seu caso.

Conte conosco para isso! Marque sua consulta na ProntoPele e tenha um atendimento de qualidade.

Saiba mais sobre larva migrans, conhecida como bicho geográfico

A larva migrans é uma doença de pele que também pode ser chamada de dermatite linear serpiginosa, bicho geográfico ou de praia e verme da areia.

Ela se manifesta por um trajeto cutâneo eritematoso (avermelhado), migratório linear ou com contorno sinuoso.

Apesar de ocorrer em todo o mundo, é mais encontrada nos países de clima quente, especialmente nos tropicais e subtropicais, como o sudoeste dos Estados Unidos, Caribe, África, América Central e do Sul, Índia e sudeste da Ásia.

As larvas causadoras da doença são encontradas em praias arenosas.

Continue lendo o nosso post e tire todas as suas dúvidas sobre a larva migrans, conhecida popularmente como bicho geográfico.

Qual a causa da larva migrans?

A transmissão da larva migrans ocorre através do contato com a areia contaminada pelas fezes de gatos e cães.

É facilitada na época de chuvas, já que é disseminada pela dissolução das fezes desses animais, facilitando a eclosão dos ovos e a penetração das larvas na pele dos indivíduos.

O Ancylostoma braziliense é o agente etiológico mais frequente. Em seguida vem:

  • Ancylostoma caninum
  • Uncinaria
  • Bonostomum
  • Phebotomum stenocephala

Os ovos são eliminados nas fezes do hospedeiro definitivo (cão ou gato). Sob condições favoráveis de umidade, calor e sombra, as larvas rabdiformes eclodem dos ovos em 1 a 2 dias.

Tornam-se larvas filariforme que representam a forma infectante, podendo sobreviver 3 a 4 semanas no solo antes de penetrar na pele.

A pessoa pode ser infectada quando as larvas filariformes do solo penetram na parte mais superficial da pele (epiderme) e aí permanecem pelo fato da larva não conter a enzima colagenase, necessária para facilitar a penetração na parte mais profunda da pele (derme). 

Mesmo assim, a presença delas induz uma reação inflamatória ao longo da migração na pele.

Manifestações clínicas da larva migrans

As lesões da larva migrans se localizam na pele mais exposta ao solo como pés, pernas e nádegas e, menos no tronco e extremidades superiores.

A primeira manifestação é o surgimento de pápula (carocinho), que pode ser em abundância, proporcional ao contato da pele com solo contaminado com alto número de larvas.

Larva migrans

Após alguns dias, a larva começa a se deslocar na pele, gerando uma lesão linear, elevada, eritematosa (avermelhada), serpenteante.

Larva migrans (bicho geográfico) no pé
Larva migrans (bicho geográfico) no pé

As lesões serpiginosas, ou seja, com contorno sinuoso, se desenvolvem de 2 a 6 dias após a exposição.

As larvas migram vários milímetros ou até alguns centímetros por dia. Por  isso, as lesões medem 3 milímetros de largura e podem ter até 15 a 20 milímetros de comprimento.

O prurido (coceira) pode ser tão intenso ao ponto de perturbar o sono.

Quando a reação alérgica ao parasita é maior, gera vesículas e até bolhas, frequentemente localizadas entre os dedos e planta dos pés, manifestação muito menos frequente da doença.

Larva migrans (bicho geográfico) com bolhas

Há ainda a possibilidade da doença sofrer complicações com infecção bacteriana como o impetigo. Nesses casos, o diagnóstico se torna mais difícil por esconder as lesões características da larva migrans.

Larva migrans com infecção por bactérias

Tratamento da larva migrans

Ao identificar alguma manifestação da larva migrans, recomenda-se uma consulta com um médico especializado. Apenas ele poderá identificar se há complicações e quais são os melhores tratamentos.

Os casos com poucas lesões e que não atingem pele espessa, como a planta dos pés, devem ser tratados através da aplicação de pomada contendo tiabendazol.

Na situação de lesões em grande número e na planta dos pés, pode-se utilizar o tiabendazol, o albendazol e a ivermectina, por via oral, sendo preferível o último pelo menor risco de efeitos colaterais.

Vale ressaltar que a automedicação é prejudicial para a saúde. Sempre consulte um especialista para fazer um bom tratamento.

Agora que você sabe identificar a larva migrans, continue a leitura e tire todas as suas dúvidas sobre a teledermatologia.

Dermatofitoses: conheça essa infecção fúngica da pele, unhas e cabelos

A dermatofitose é uma infecção produzida por fungos conhecidos como dermatófitos, por isso, tem esse nome.

Esses fungos se alimentam da ceratina, substância proteica existente na pele, unhas e cabelo.

A infecção é mais comum de ocorrer em homens e durante as estações quentes, como o verão.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre a dermatofitose!

O que causa a dermatofitose?

Como já citado, a causa da dermatofitose são os fungos chamados dermatófitos. Eles habitam naturalmente o solo, os animais e o homem.

A contaminação do indivíduo a partir dessas fontes geram infecções denominadas de geofílicas, zoofílicas e antropofílicas, respectivamente.

As espécies geofílicas vivem no solo e, eventualmente, parasitam o homem.

As espécies zoofílicas provocam dermatofitose (impinge) nos animais e raramente invadem o homem, enquanto as antropofílicas parasitam preferencialmente o homem.

A transmissão pode ocorrer também através de objetos como travesseiro, escova, brinquedos e telefone.

A importância de identificar a fonte de infecção é fazer a prevenção de reinfecção. A de origem antropofílica, por ser mais adaptada à pele do homem, gera menor reação inflamatória (menor intervenção do sistema de defesa da pessoa) e, consequentemente, maior resistência ao tratamento.

Incidência da dermatofitose

A dermatofitose é mais comum no sexo masculino.

Em relação à idade, é quase exclusiva no couro cabeludo nas crianças e predomina nos pés, unhas e virilhas no adulto.

As pessoas com diminuição da imunidade, como a AIDS, são mais predispostas a desenvolver a dermatofitose.

Ambientes fechados que facilitam a transmissão, como as creches e tripulações de navio, também são mais susceptíveis. São mais comuns no verão e no outono.

O uso de sapato fechado favorece a instalação de dermatofitose pela maior umidade local e explica a menor incidência entre os índios.

Manifestações clínicas da dermatofitose

Veja quais são as manifestações clínicas mais comuns da dermatofitose:

Tinha do couro cabeludo

Predomina nas crianças e nas populações pobres.

Caracteriza-se por placas com perda de cabelo, com quebra do cabelo rente ao couro cabeludo, permanecendo pequenos cotos dele, associado à descamação do couro cabeludo.

Tinha da cabeça

Pode evoluir para inflamação, denunciada pela presença de eritema (vermelhidão) e pústulas (bolhinhas de pus), associada aos fungos oriundos do solo e de animais, pouco adaptados à pele do homem.

Quando ainda não havia tratamento, curava espontaneamente com a chegada da puberdade por influência da produção de sebo (gordura) no couro cabeludo estimulada pelos hormônios sexuais.

Tinha do corpo

Acomete, preferencialmente, a pele que não é coberta pela roupa.

Caracteriza-se, inicialmente, por uma pápula (carocinho) que tende a crescer centrifugamente,

Tinha do corpo anular inicial

com tendência à involução no centro da lesão e crescimento nas bordas, as quais são constituídas por vesículas, escamas, crostas hemáticas (conteúdo de sangue) e infiltração (elevação) da pele, constituindo a forma anular.

Tinha do corpo anular

Tinha inguinocrural

Essa manifestação clínica da dermatofitose localiza-se na virilha e tem o mesmo aspecto da tinha do corpo, porém tem mais prurido (coceira) e predomina no sexo masculino.

Frequentemente, representa uma extensão da tinha dos pés.

Tinha dos pés

Representa a forma clínica da dermatofitose mais frequente.

Acomete preferencialmente o quarto espaço entre os dedos, constituído de eritema (vermelhidão) coberto por escama esbranquiçada consequente à maceração pelo suor  e com fissura (ferida de forma linear).

Tinha do pé interdigital

Esta última pode representar porta de entrada para a bactéria estreptococo, responsável pela instalação da erisipela, uma doença infecciosa, na perna.

Também pode acometer a planta dos pés e ser manifestada por vesículas, a forma aguda,

Tinha do pé aguda

ou eritema (vermelhidão) e escamas, forma crônica plantar, que representa uma extensão da tinha entre os dedos dos pés.

Tinha do pé plantar

Tinha das mãos

Essa manifestação é rara, apesar de poder acontecer de forma isolada, ou representa extensão da tinha dos pés. Quando acomete o dorso das mãos, mantém as características da forma anular da tinha do corpo.

Tinha da mão

Porém quando a palma das mãos é afetada, perde essas características, manifestado por eritema e escamas, estas mais evidentes nas linhas da pele.

Tinha da mão

Tinha das unhas

É consequência da contaminação a partir da tinha dos pés.

Manifesta-se pelo engrossamento das unhas, alteração da coloração (manchas amareladas) e descolamento da unha. Este, cria um espaço, manifestado pela cor esbranquiçada na extremidade distal da unha. A unha do primeiro dedo (dedão) é a mais afetada.

Tinha da unha

Raramente acomete a unha das mãos.

Tratamento da dermatofitose

O tratamento deve ocorrer apenas após ser realizado um exame de laboratório que confirma o diagnóstico.

Esse exame é chamado de exame micológico e ocorre pela colheita de material e análise imediata ao microscópio. Também é realizado a cultura micológica, procedimento que demora duas semanas e identifica a espécie do fungo.

O tratamento tópico, utilizando creme, é indicado para os casos localizados na pele e de pequena extensão como virilhas, entre dedos dos pés e pele exposta.

Os casos acometendo grande extensão da pele, unhas, cabelo e planta dos pés, deve ser administrado antifúngico por via oral, cujo tempo de tratamento pode variar de acordo com cada localização.

A droga de uso tópico mais eficaz é a terbinafina, porém a amorolfina, os derivados amidazólicos e o ciclopirox são também eficientes.

A indicação do tratamento tópico é de evitar a disseminação da doença para outras partes do corpo, para outras pessoas e para impedir uma infecção bacteriana secundária.

Os medicamentos utilizados por via oral são a terbinafina, griseofulvina, itraconazol e fluconazol, sendo o primeiro o mais eficaz.

Apenas um médico especializado pode analisar a infecção e determinar o melhor tratamento para cada paciente. A automedicação não é recomendada e pode ter um efeito contrário do desejado.

Agora que você já sabe mais sobre a dermatofitose, continue lendo no nosso blog e se informe sobre a pele seca.

Pediculose: saiba mais sobre essa doença causada por parasitas

A pediculose é causada por parasitas que se comportam como hospedeiros muito específicos da pele por viverem toda sua vida à custa de sugar o sangue do homem.

Ela pode ocorrer por três diferentes espécies:

  • Pediculus humanus capitis – pediculose da cabeça: o piolho da cabeça
  • Pediculus humanus humanus – pediculose corporis: o piolho do corpo
  • Pthirus púbis – pediculose púbica: o piolho da região pubiana, conhecido como Chato

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre esses três tipos de pediculose.

Pediculose da cabeça

É uma doença muito frequente em todo o mundo e não poupa nenhuma classe socioeconômica.

As mulheres, as crianças e as pessoas de pele clara são as mais afetadas.

O que causa a pediculose da cabeça?

A fêmea do parasita vive durante 30 dias, suga o sangue do hospedeiro no couro cabeludo e na pele ao redor, através de peças bucais e se prendem firmemente ao pelo.

Elas também eliminam ovos durante esse período, conhecidos como lêndeas, que aderem firmemente ao fio de cabelo.

O piolho adulto pode sobreviver até 55 horas fora do hospedeiro, mas, geralmente, se torna inviável muito antes de morrer.

A transmissão principal é através do contato com a cabeça do indivíduo infectado. É discutível a transmissão através de objetos como o pente.

Manifestações clínicas da pediculose da cabeça

A reação alérgica à saliva do piolho gera prurido (coceira) no couro cabeludo, sendo necessário um período de incubação de 4 a 6 semanas para o início desse sintoma.

Ao exame dermatológico, observam-se escoriações (ferimentos) no couro cabeludo, nuca e ao redor da orelha, consequente ao ato de coçar.


Foto autorizada pelo Dr. Samuel Freire, Atlas Dermatológico

A confirmação do diagnóstico é feita pela visualização do parasita e das lêndeas no couro cabeludo, especialmente na região occipital e próximo às orelhas.

Foto autorizada pelo Dr. Samuel Freire, Atlas Dermatológico

A detecção do piolho vivo pode ser realizada por meio do ato de pentear o cabelo com pente fino com diâmetro de 0,2 mm entre os dentes, sempre em contato direto com o couro cabeludo.

Essa manobra é iniciada a partir do limite entre a parte superior e a posterior da cabeça. O pente é puxado firmemente para baixo e examinado em busca dos piolhos.

O penteado úmido com condicionador é melhor que o seco para fazer esse procedimento. Uma técnica de visualização direta dos piolhos é massagear o couro cabeludo antes do exame do local.

Vale ressaltar que a detecção das lêndeas é muito mais fácil do que a do parasita e elas se distinguem da caspa por serem mais aderidas ao cabelo.  

Tratamento da pediculose de cabeça

Para o tratamento da pediculose de cabeça, o famoso piolho, recomenda-se a aplicação da permetrina a 1% em xampu durante 10 minutos e a reaplicação após 7 a 10 dias para atingir também as lêndeas que se tornaram adultas nesse período.

Outras opções através da aplicação direta no couro cabeludo são:

  • O malathion a 0,5%
  • O spinosad em suspensão a 0,9% (ação também contra as lêndeas)
  • O álcool benzílico a 5%
  • O dimeticone em loção a 4%
  • A ivermectina loção a 0,5%

O tratamento por via oral, muito mais prático, é realizado com a ivermectina em dose única e repetido após 7 a 10 dias.

É aconselhável que toda a família realize o tratamento, independentemente de ter manifestação, a fim de tratar os portadores sem sintomas, responsáveis pela manutenção da doença.

As lêndeas podem ser removidas através da aplicação da mistura de vinagre diluído em parte igual de água, com a ajuda de um pente fino.

Pediculose do púbis ou ftiríase

A transmissão da pediculose do púbis ocorre em decorrência de contato físico, principalmente através de relação sexual.

O parasita apresenta corpo achatado, por isso, é conhecido como Chato, e adere firmemente aos pelos a fim de facilitar o ato de sugar o sangue do hospedeiro. Além do parasita, pode ser detectado os ovos, também colados ao longo do pelo. A coceira sempre está presente

É um parasita dos pelos da região genital e ao redor do ânus.


Foto autorizada pelo Dr. Samuel Freire, Atlas Dermatológico

Em homens com excesso de pelo,  pode se deslocar pela pele e atingir áreas distantes como: 

  • Tronco
  • Axilas
  • Barba
  • Abdômen
  • Coxas
  • Supercílios
  • Cílios

Foto autorizada pelo Dr. Samuel Freire, Atlas Dermatológico

Tratamento da pediculose do púbis

Aplicação de permetrina a 1% em creme durante 10 minutos e reaplicar após 7 a 10 dias

Assim como no tratamento da pediculose da cabeça, a ivermectina por via oral, também é eficaz.

Pediculose do corpo

O parasita é semelhante ao da cabeça, porém habita a roupa do hospedeiro, migrando para a pele a fim de se alimentar através da picada.

Surgem pápulas (carocinhos) e pontos hemorrágicos consequentes à picada do parasita. Normalmente, essas picadas ocorrem na cintura e nas dobras das axilas, coincidindo com as dobras da roupa.

Em consequência do prurido, podem surgir escoriações e liquenificação (espessamento da pele). O parasita e seus ovos ficam retidos na costura da roupa.

Serve como transmissão de doenças como:

Tratamento da pediculose do corpo

O calor mata o piolho, por isso, as roupas e lençóis devem ser lavados com água quente, a seco ou descartados após o uso.

Além disso, ao passar a roupa, deve-se ter atenção especial às costuras.

A pediculose é uma condição comum, mas exige o acompanhamento de um médico especializado.

Apenas o especialista poderá recomendar o melhor tratamento para cada paciente de acordo com as suas necessidades e especificações.

Para saber mais sobre doenças da pele e cuidados dermatológicos, não deixe de conferir o nosso blog.

Rosácea: saiba mais sobre essa doença que afeta 10% da população

A rosácea é uma doença crônica e frequente, e se manifesta com alterações na pele e/ou nos olhos.

Ela afeta cerca de 10% da população e alguns fatores predispõem ao aparecimento da doença.

No post de hoje, você saberá mais sobre a rosácea, sua causa e como deve ser feito o tratamento para diminuir as alterações causadas. Continue lendo e confira.

Incidência da rosácea

É uma doença cutânea frequente, afetando 10% da população, predominantemente em pessoas de pele clara.

Incide mais na faixa etária entre 30 anos e 60 anos, mais nas mulheres do que nos homens, apesar da forma fimatosa predominar no sexo masculino.

O tabagismo, a obesidade e a ingestão exagerada de álcool predispõem à rosácea.

O que causa a rosácea?

Vários fatores estão envolvidos na doença.

O dano provocado pela radiação solar, por exemplo, gera degeneração nas fibras elásticas e no tecido colágeno dos vasos sanguíneos e o da periferia deles.

Ela também pode ocorrer por um defeito no sistema imunológico que gera uma proliferação de microorganismos habitantes normais da pele, como o Demodex folliculorum e o Bacillus oleronius, gerando inflamações na área.

Suspeita-se que a infecção pelo Helicobacter pilori, habitante da mucosa do estômago, também pode influenciar a evolução da rosácea.

Quadro clínico da rosácea

A rosácea atinge, preferencialmente, a parte central da face, como o nariz e regiões malares (bochechas). 

Apresenta algumas formas clínicas:

O tipo eritematotelangiectásica é a apresentação inicial da doença, há eritema (vermelhidão) e telangiectasias (dilatação dos vasos superficiais da pele).


Rosácea eritêmato telangectásica

A forma papulopustulosa se sobrepõe à forma inicial e é manifestada por pápulas (pequenos caroços) e pústulas (bolhinhas de pus), na mesma localização citada acima.

Rosácea papulopustulosa
Rosácea papulopustulosa. Foto autorizada pelo Dr. Samuel Freire do Atlas Dermatológico
Rosácea pustulosa

Diferencia-se da acne juvenil por não apresentar comedões (cravos).

Alguns pacientes, principalmente os homens, apresentam hipertrofia das glândulas sebáceas no nariz, se manifestando, inicialmente, por eritema (vermelhidão), edema e dilatação dos poros da pele.

Finalmente, evolui para a formação de tecido fibroso e conhecido por rinofima. Pode se manifestar em outras áreas do rosto, como mento, bochechas e orelhas.

Rinofima. Foto autorizada pelo Dr. Samuel Freire do Atlas Dermatológico

Comumente, os olhos também podem ser afetados, havendo incidência em 58% a 72%. Nesse caso, chama-se de rosácea ocular. Os sintomas são sensação de secura ou lacrimejamento, dor e visão borrada.

Também surgem outros sintomas, como:

  • Hordéolo (terçol)
  • Blefarite (inflamação das pálpebras)
  • Conjuntivite
  • Ceratite
  • Ulceração e até ruptura da córnea

Pode ocorrer sem manifestações na pele. É muito importante o diagnóstico precoce. 

Tratamento da rosácea

As orientações sobre a rosácea são muito importantes para o tratamento. Deve ser esclarecido para os pacientes que a doença, apesar de não curar, pode ser controlada com medidas de proteção, além do tratamento específico.

Também é essencial compreender que deve-se evitar o contato com substâncias que irritem a pele, como:

  • Agentes químicos
  • Sabonetes
  • Cosméticos à base de álcool
  • Produtos abrasivos e adstringentes

Pacientes com rosácea tendem a ser muito sensíveis a essas substâncias.

Recomenda-se ainda evitar exposição excessiva ao Sol, alimentos quentes e condimentados, banho quente e sauna. É importante também usar filtro solar com fator de proteção igual ou superior a 30.

O tratamento visa combater a inflamação da pele e as telangiectasias. Para o primeiro objetivo, dispomos do metronidazol, ivermectina, ácido azeláico, inibidores da calcineurina (pimecrolimo e tracolimo) por via tópica, além de antibióticos, metronidazol, e isotretinoina por via oral.

A combinação das duas vias de administração é o ideal. O combate às telangiectasias é realizado através do laser e da luz intensa pulsada.

O rinofima é tratado com a isotretinoina na fase inicial da doença e cirurgia nos casos mais avançados através da dermoabrasão, criocirurgia, eletrocirurgia e laser ablativo.

Independentemente da forma clínica da rosácea, é essencial contar com o apoio médico para traçar o melhor tratamento. Apenas um especialista pode dar todas as orientações úteis para o paciente.

Se você quiser continuar a leitura e saber mais informações sobre doenças de pele, confira o nosso blog!

O que é e como ocorre o eczema agudo das mãos e dos pés?

O eczema agudo das mãos e dos pés é uma inflamação da pele com vesículas e bolhas.

Também conhecido por  disidrose ou eczema disidrótico, essa inflamação causa intenso prurido (coceira). Frequentemente recidiva e a causa geralmente é desconhecida.

Ele contribui com 5% a 20% dos eczemas localizados nas mãos e é mais comum em adultos jovens. Não tem predomínio em relação ao gênero.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre o eczema agudo das mãos e dos pés!

Qual é a causa do eczema agudo?

A causa do eczema agudo não é identificada na maioria dos casos, mas alguns fatores podem contribuir para seu surgimento, como:

  • Passado de dermatite atópica
  • Contato com substâncias alérgicas, em especial os metais
  • Contato com substâncias que irritam a pele, como detergentes e solventes
  • Ingestão de substâncias contendo níquel e cobalto
  • Reação alérgica a focos distantes do fungo dermatófito (impinge)
  • Fumo
  • Excesso de sudorese
  • Exposição ao Sol (radiação ultravioleta)

Manifestações clínicas do eczema agudo

A primeira manifestação do eczema agudo é o intenso prurido (coceira) seguido pelo aparecimento de vesículas (bolhinhas d’água) de consistência tensa que podem confluir e formar bolhas, nas palmas, face lateral dos dedos das mãos.

Disidrose na palma da mão
Disidrose no dedo
Disidrose no pé

As mãos são afetadas isoladamente em 70% a 80% dos casos.

As vesículas persistem durante 3 semanas, rompem e se transformam em escamas, antes de desaparecerem.

Quando a doença recidiva muito, a pele pode adquirir  um aspecto engrossado (liquenificado), avermelhado, com descamação e fissuras.

Dermatite crônica pós disidrose

Essas manifestações podem permanecer durante meses a anos, precipitadas por ambientes quentes.

O eczema agudo também pode provocar deformidade das unhas, como estrias transversais e mudança da coloração em consequência de crises repetitivas de inflamação da pele ao redor delas, local da matriz (origem) da unha.

Paroníquia crônica pós disidrose

Como a maioria dos eczemas, pode complicar com infecção bacteriana, o impetigo, denunciado pelo aparecimento de pústulas (bolhas de pus) e seguido pela formação de crostas melicéricas (amareladas).

Disidrose infectada

A realização de Teste de Contato sobre a pele é importante para investigar a relação do contato com substâncias alérgicas.

Teste de contato

Tratamento do eczema agudo

É muito importante identificar e evitar o agente causador e o que agrava o eczema agudo, o que, na maioria dos casos, não é possível.

Algumas medidas que podem ser tomadas são:

  • Lavar as mãos com sabonetes especiais
  • Enxugar as mãos imediatamente após lavá-la e, em seguida, aplicar creme hidratante
  • Usar luva de algodão por baixo de luva de borracha ou de vinil
  • Remover relógio, anel e outros objetos de adorno antes de ter trabalho doméstico envolvendo água
  • Aspirar o líquido das bolhas grandes, mantendo o teto delas a fim de evitar dor e prevenir infecção bacteriana

Os casos mais discretos podem ser tratados com a aplicação de corticosteróides com alta potência anti-inflamatória, de 2 a 4 semanas.

Os casos mais severos, podem ser controlados com a ingestão de corticosteróide durante 1 semana, e ir desmamando durante as semanas seguintes.

Lembrando que os corticosteróides, sejam por qualquer via, não devem ser utilizados por tempo prolongado a fim de evitar os efeitos colaterais como atrofia da pele.

Os casos refratários aos medicamentos enumerados acima devem ser tratados com a associação da ingestão de psoraleno e da exposição da radiação ultravioleta A (fototerapia).

Apenas um médico especializado na área pode traçar o melhor tratamento para cada caso. A automedicação pode ter um efeito contrário do desejado e agravar o eczema.

Marque sua consulta conosco e tire suas dúvidas sobre essa inflamação!

Alergia à picada de inseto: saiba o que causa e como tratar

A alergia à picada de inseto, também conhecida como estrófulo, é muito comum, principalmente em crianças.

Quando um inseto pica, normalmente, ele deixa alguma substância na pele da sua vítima.

A alergia, por sua vez, ocorre quando há uma reação de hipersensibilidade, ou seja, uma reação alérgica exagerada à injeção dessa substância dos insetos na pele.

Continue lendo o nosso post e saiba mais sobre a alergia à picada de inseto!

Qual é a causa da alergia à picada de inseto?

A alergia à picada de inseto ocorre, normalmente, por insetos hematófagos, aqueles que se alimentam de sangue. Os mais comuns são:

  • Mosquitos
  • Pernilongos
  • Pulgas
  • Carrapatos
  • Percevejos

É mais intenso e persistente nas crianças portadoras de atopia, ou seja, aquelas que apresentam manifestações alérgicas do tipo asma, rinite e dermatite atópica.

Os pacientes que têm AIDS também são muito sensíveis à picada de inseto, frequentemente, constituindo a primeira manifestação da doença.

Tem se tornado cada vez mais frequente o estrófulo provocado por um ácaro (pulga) existente nos pombos e pardais.

Manifestações clínicas da alergia à picada de inseto

Atinge, preferencialmente, crianças entre 2 e 7 anos.

Nas crianças portadoras de atopia, a doença pode persistir até a vida adulta. 

Habitualmente, a evolução é por surtos, com lesões em diferentes estágios evolutivos. A localização das lesões vai depender do inseto responsável.

Se estiver relacionado a inseto voador, como mosquitos e pernilongos, atinge os membros superiores e inferiores, correspondente à pele não protegida pela roupa, preferencialmente, as pernas pelo fato do inseto voar mais baixo.

Alergia a picada de inseto (estrófulo)
Alergia a picada de inseto (estrófulo)

A lesão elementar é a seropápula, ou seja, um carocinho inchado com uma pequena vesícula no centro (bolhinha contendo líquido), correspondendo essa última à  localização da picada do inseto.

Alergia a picada de inseto em braço
Alergia a picada de inseto em braço

Quando a reação é consequente à picada de pulga, principalmente, pelo piolho existente nos pombos, pode afetar qualquer parte do corpo e pode se manifestar por lesões semelhantes  a urticária e pápulas (carocinhos). É mais difícil de responsabilizar o piolho porque ele não é encontrado na pele, ou seja, ele pica a pele e sai. Recomendamos, nos casos suspeitos, evitar alimentar os pombos e examinar a caixa do ar condicionado para confirmar a presença dele.

Alergia a picada do piolho do pombo

Quando a reação inflamatória é muito intensa, surgem também vesículas e bolhas isoladas, especialmente nos atópicos, onde as lesões são também mais extensas.

Outras manifestações são manchas avermelhadas associadas à púrpura (eritematopurpúricas) e nódulos.

Em consequência do prurido (coceira), geralmente intenso, o consequente ato de coçar gera escoriações (feridas de forma linear) cobertas por crostas hemáticas (resultante do ressecamento de sangue) ou melicéricas (consequente ao ressecamento de pus).

Estas últimas lesões denunciam infecção bacteriana secundária. 

Tratamento da alergia à picada de inseto

O mais importante para o controle do estrófulo é a prevenção. Isso se faz de diferentes formas, como:

  • Uso de calça e camisa comprimidas
  • Mosquiteiro
  • Tela nas janelas
  • Aplicação frequente de repelente

Os repelentes mais conhecidos são à base de DEET, também muito úteis  no combate às arboviroses, como a dengue.

Muito eficaz como repelente é a loção de permetrina, utilizada amplamente, também, no tratamento da escabiose.

Como em todo paciente portador de prurido, as unhas devem ser cortadas regularmente, duas vezes por semana, a fim de prevenir cicatrizes consequentes às escoriações na pele pelo ato de coçar.

O tratamento visa o controle do prurido. Isso é realizado com a aplicação de loção refrescante contendo mentol e os anti-histamínicos que geram sonolência, por via oral.

Os casos exuberantes são controlados através da ingestão de corticosteróide, sempre por curto período para prevenir seus graves efeitos colaterais. A aplicação de creme contendo corticosteróide não é eficaz.

Agora que você já sabe mais sobre alergia à picada de inseto, que tal continuar a leitura e aprender mais sobre as causas da pele seca?

Queratose seborreica: saiba mais sobre esse tumor benigno

A queratose seborreica, também conhecida como verruga seborreica ou senil, é um tumor benigno na pele (sinais escuros na pele) resultante da proliferação de células da epiderme, camada mais superficial da pele.

É uma das doenças da pele mais frequentes que surgem, normalmente, após os 50 anos, exceto na raça negra, quando pode se manifestar a partir da segunda década de vida.

Não existe prevalência do aparecimento desse tumor em relação ao sexo.

Continue lendo e saiba mais sobre a queratose seborreica.

O que causa a queratose seborreica?

Existe uma predisposição genética, principalmente para os casos com grande número de lesões e quando surgem muito precocemente, antes dos 20 anos. O tipo de herança é autossômico dominante, ou seja, risco de 50% de nascer com a doença

Predomina na pele exposta ao Sol, o que sugere uma participação do sol na indução desse tumor. 

Manifestações clínicas da queratose seborreica

Inicialmente, surgem lesões planas e discretamente elevadas, superfície de aspecto aveludado, bem delimitadas, arredondadas, ovais ou como pápulas (carocinhos) discretamente elevadas.

Essas lesões têm cor castanho-claro, castanho ou preta e uma aparência de “colada” sobre a pele.

Ceratose seborreica na perna

Com a evolução, podem se tornar mais espessas e de aspecto graxento além de surgirem comedões (cravos).

Ceratose seborreica elevada

Têm diâmetro variado, desde poucos milímetros até um centímetro. Podem crescer e atingir grandes dimensões devido à coalescência de lesões, especialmente no couro cabeludo.

Surgem em qualquer local, exceto palma e planta.

Quando são em grande número, tendem a se dispor no sentido das linhas de força ou nas dobras da pele, quando assumem formatos lineares, principalmente no dorso. 

Nas pessoas de pele escura, as lesões surgem precocemente, a partir da segunda década de vida, com tendência a serem muito numerosas, como pápulas lisas, enegrecidas, localizadas preferencialmente no rosto, no pescoço e menos no tórax, também conhecida por dermatose papulosa nigra.

Ceratose seborreica. Dermatose papulosa nigra

A estucoqueratose é uma variante da ceratose seborreica, que acomete mais os homens idosos, localizada no dorso do pé, tornozelos e terço inferior das pernas.

Manifesta-se como pequenas pápulas de textura áspera, variando de cor esbranquiçada a levemente acastanhada.

Ceratose seborreica. Estucoqueratose
Ceratose seborreica. Estucoqueratose

Em consequência de predominar nas pessoas mais velhas e na pele exposta ao Sol, frequentemente está associada a ceratose actínica, elastose solar e outras alterações próprias da pele idosa.

Quando surge numerosas lesões de forma abrupta, pode denunciar câncer interno, principalmente do aparelho gastrointestinal, conhecido como sinal de Leser-Trélat.

Ceratose seborreica. Sinal de Leser-Trelat (foto cedida pelo Dr. Samuel Freire no Atlas Dermatologico)

Geralmente não causam prurido (coceira), exceto quando sofrem inflamação, consequente ao trauma.

As lesões muito escuras e que sofreram traumatismo podem simular o melanoma. Quando se localizam na região genital, e ao redor, devem ser diferenciadas do condiloma acuminado, doença de origem viral, transmitida sexualmente.

Diagnóstico

O diagnóstico da queratose seborreica pode ser confirmado com o dermatoscópio, aparelho que representa um “microscópio” aplicado sobre a pele, onde são observados muitos outros detalhes, além do que é observado no exame clínico.

Tratamento da queratose seborreica

A indicação do tratamento é apenas de ordem estética e exige o acompanhamento de um médico especializado.

As lesões planas ou discretamente elevadas e em pequeno número podem ser tratadas com a aplicação de ácido tricloroacético e de nitrogênio líquido (pequena duração), realizado apenas pelo dermatologista.

Essas mesmas lesões, quando em grande número, podem ser tratadas por meio do peeling médio, envolvendo a combinação de ácido tricloroacético e da solução de Jessner que também gera grande rejuvenescimento da pele.

As lesões elevadas podem ser removidas, preferencialmente, através de curetagem da lesão, método com menos chance de deixar cicatriz.

Não recomendamos outras modalidades de tratamento para essas lesões elevadas, como a crioterapia (aplicação de nitrogênio líquido) nem da eletrocauterização com bisturi elétrico, ainda muito utilizadas, pelo risco de desenvolver cicatrizes e manchas escuras ou claras, especialmente em pessoas de pele escura.

Agora que você já sabe mais sobre a queratose seborreica, que tal continuar a ler e tirar suas dúvidas sobre a teledermatologia?